Cidades Portal Correio e Rede Brasil do Pacto Global firmam parceria editorial

Portal Correio e Rede Brasil do Pacto Global firmam parceria editorial

O Portal Correio lançou a editoria Sustentabilidade/ESG, que conta com o apoio institucional da Rede Brasil do Pacto Global. O novo espaço de reportagens e artigos sobre meio ambiente, sociedade e governança foi criado em função do interesse crescente das pessoas e empresas sobre informações sérias e isentas sobre a sustentabilidade que, muitas vezes, é usada […]

Portal Correio
Portal Correio

Portal Correio

Portal Correio
Foto: Divulgação

O Portal Correio lançou a editoria Sustentabilidade/ESG, que conta com o apoio institucional da Rede Brasil do Pacto Global. O novo espaço de reportagens e artigos sobre meio ambiente, sociedade e governança foi criado em função do interesse crescente das pessoas e empresas sobre informações sérias e isentas sobre a sustentabilidade que, muitas vezes, é usada como ferramenta ideológica e política. Essa utilização indevida desvirtua e prejudica a real necessidade de preocupação com um problema que é muito mais importante do que qualquer interesse pessoal ou de grupos isolados, uma vez que atinge a todos os seres vivos do nosso planeta.

As questões ambientais, sociais e de governança passaram a ser consideradas essenciais nas análises de riscos e nas decisões de investimentos, colocando forte pressão sobre o setor empresarial. A aparente novidade parece tirar o sono das organizações, que buscam entender o que é ESG e as adaptações necessárias para estar em conformidade com esta exigência. Mas a verdade é que ESG não é uma evolução da sustentabilidade empresarial, mas sim a própria sustentabilidade empresarial.

O que é ESG?

ESG é uma sigla em inglês que significa Environmental, Social and Governance, e corresponde às práticas ambientais, sociais e de governança de uma organização. O termo foi cunhado em 2004 em uma publicação do Pacto Global em parceria com o Banco Mundial, chamada Who Cares Wins. Surgiu de uma provocação do secretário-geral da ONU Kofi Annan a 50 CEOs de grandes instituições financeiras, sobre como integrar fatores sociais, ambientais e de governança no mercado de capitais. Na mesma época, a UNEP-FI lançou o relatório Freshfield, que mostrava a importância da integração de fatores ESG para avaliação financeira. Já em 2006, do PRI (Princípios do Investimento Responsável), que hoje possui mais de 3 mil signatários, com ativos sob gestão que ultrapassam USD 100 trilhões – em 2019, o PRI cresceu em torno de 20%.

O entendimento e a aplicabilidade de critérios ESG pelas empresas brasileiras é, cada vez mais, uma realidade. Atuar de acordo com padrões ESG amplia a competitividade do setor empresarial, seja no mercado interno ou no exterior. No mundo atual, no qual as empresas são acompanhadas de perto pelos seus diversos stakeholders, ESG é a indicação de solidez, custos mais baixos, melhor reputação e maior resiliência em meio às incertezas e vulnerabilidades.

Segundo o Climate Change and Sustainability Services, da Ernest Young, as informações ESG são essenciais hoje para a tomada de decisões dos investidores. E os critérios ESG estão totalmente relacionados aos ODS, realidade nas discussões no mercado de capitais. Os 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável reúnem os grandes desafios e vulnerabilidades da sociedade como um todo. Com isso, apontam os principais itens a serem acompanhados de perto. Além disso, sinalizam as grandes oportunidades ao se relacionarem diretamente com as necessidades.

No Brasil, a relação dos ODS com os negócios está presente nas grandes empresas. Segundo levantamento realizado com as companhias que fazem parte do ISE, Índice de Sustentabilidade Empresarial da B3, 83% delas possuem processos de integração dos ODS às estratégias, metas e resultados.

O que será abordado na editoria Sustentabilidade/ESG do Portal Correio?

O conteúdo que será veiculado pela equipe de especialistas da Rede Brasil do Pacto Global, abordará temas como mudança do clima, redução das desigualdades, especialmente com a equidade de gênero e equidade racial, refugiados, água e saneamento, integridade, agricultura sustentável e necessidade do envolvimento crescente do setor empresarial com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), a agenda global de sustentabilidade.

O Pacto Global

Como uma iniciativa especial do Secretário-Geral da ONU, o Pacto Global das Nações Unidas é uma convocação para que as empresas de todo o mundo alinhem suas operações e estratégias a dez princípios universais nas áreas de direitos humanos, trabalho, meio ambiente e anticorrupção. Lançado em 2000, o Pacto Global orienta e apoia a comunidade empresarial global no avanço das metas e valores da ONU por meio de práticas corporativas responsáveis. Com mais de 12,6 mil empresas e quase 4 mil organizações não-empresariais, distribuídas em 70 redes locais, que abrangem 160 países, é a maior iniciativa de sustentabilidade corporativa do mundo. Para mais informações, siga @globalcompact nas mídias sociais e visite o website em www.unglobalcompact.org

A Rede Brasil do Pacto Global foi criada em 2003, e hoje é a terceira maior do mundo, com mais de 1,1 mil membros. Os mais de 40 projetos conduzidos no país abrangem, principalmente, os temas: Água e Saneamento, Alimentos e Agricultura, Energia e Clima, Direitos Humanos e Trabalho, Anticorrupção, Engajamento e Comunicação. Para mais informações sobre a Rede Brasil, siga @pactoglobalbr nas mídias sociais e visite o website em www.pactoglobal.org.br 

Últimas