Portal Correio UPAs de João Pessoa atenderam 1.886 pacientes com sintomas gripais no feriadão de Ano Novo

UPAs de João Pessoa atenderam 1.886 pacientes com sintomas gripais no feriadão de Ano Novo

As quatro unidades de pronto atendimento (UPAs) de João Pessoa atenderam 3.688 pessoas da última sexta-feira (31) até este domingo (2), feriadão de ano novo. Desse total, 1.886 registros envolviam crianças e adultos com sintomas gripais. Leia também: Conheça as diferenças entre os sintomas de Covid-19 e gripe Lavar as mãos reduz em 40% risco […]

Portal Correio
Portal Correio

Portal Correio

Portal Correio
Foto: Divulgação/Secom-JP

As quatro unidades de pronto atendimento (UPAs) de João Pessoa atenderam 3.688 pessoas da última sexta-feira (31) até este domingo (2), feriadão de ano novo. Desse total, 1.886 registros envolviam crianças e adultos com sintomas gripais.

Leia também:

Conheça as diferenças entre os sintomas de Covid-19 e gripe Lavar as mãos reduz em 40% risco de contrair outras doenças além da Covid, como gripe e conjuntivite

Durante os três dias, a UPA Oceania, no Retão de Manaíra, atendeu 617 casos de pessoas com sintomas gripais. A UPA do bairro do Valentina foi a segunda com mais ocorrências: 564. Na UPA de Cruz das Armas, deram entrada 539 pacientes com sintomas gripais, enquanto que a UPA Bancários recebeu 166 pessoas com quadro suspeito de gripe.

Os sintomas mais comuns relatados pelos pacientes foram febre, tosse, cansaço e dores no corpo.

A secretária de Saúde de João Pessoa, Margareth Diniz, orienta que como a população deve proceder caso apresente sintomas sugestivos de gripe.

“As pessoas que apresentarem sintomas gripais podem procurar diretamente as unidades de saúde da família que reabriram nesta segunda-feira e encontrarão o atendimento. Se houver necessidade de um atendimento especializado, a própria unidade encaminhará esse paciente à Atenção Especializada, como as upas e hospitais”, explica.

A UPAs são unidades de urgência e emergência para serviços de média a alta complexidade, sendo um ‘meio-termo’ entre o centro de saúde e os hospitais, com mais recursos do que um posto de saúde. O atendimento é realizado por equipe multiprofissional conforme a classificação de risco, priorizando a gravidade dos casos, onde a ordem de chegada não determina a rapidez com que o paciente será atendido. As UPAs mantêm pacientes em observação, por até 24 horas, para elucidação diagnóstica ou estabilização clínica, encaminhando aqueles que não tiveram suas queixas resolvidas com garantia da continuidade do cuidado para internação em serviços hospitalares de retaguarda, por meio da regulação do acesso assistencial.

Últimas