Portal Correio Veja as vantagens dos aparelhos ortodônticos invisíveis para os fixos

Veja as vantagens dos aparelhos ortodônticos invisíveis para os fixos

Melhor estética no sorriso, conforto e a possibilidade de remoção para se alimentar estão entre as diferenças dos alinhadores ortodônticos invisíveis para os aparelhos fixos. Em crescente ascensão no mercado, esses alinhadores ainda propiciam uma previsão antecipada dos movimentos dentários em 3D e a simulação de formas e possibilidades de tratamento, que são diferenciais do […]

Portal Correio
Portal Correio

Portal Correio

Portal Correio

Melhor estética no sorriso, conforto e a possibilidade de remoção para se alimentar estão entre as diferenças dos alinhadores ortodônticos invisíveis para os aparelhos fixos. Em crescente ascensão no mercado, esses alinhadores ainda propiciam uma previsão antecipada dos movimentos dentários em 3D e a simulação de formas e possibilidades de tratamento, que são diferenciais do digital no consultório. Mas eles resguardam mais vantagens.

A principal diferença vem da sua feitura com imagens 3D (virtuais) das maloclusões (mal posição dos dentes), obtidas pelo escaneamento da boca. Para corrigi-las, os ortodontistas usam um programa computadorizado que produz uma série de estágios de sucessivas e pequenas movimentações dentárias. E são construídos modelos de resina para cada deles, sobre os quais serão confeccionados os alinhadores fielmente adaptados a cada paciente.

“Estes alinhadores devem ser utilizados sequentemente pelo paciente durante 14 dias em média, por isso, são numerados de acordo com a evolução do tratamento. A justaposição destes alinhadores transparentes e removíveis aos dentes, na correção das maloclusões, determina uma condição estética satisfatória e de favorável higiene bucal”, explica a ortodontista e Profa. Dra. Suelen Costa, do curso de Odontologia do Unipê.

Principais vantagens

Eles são discretos pelo uso do material transparente, e essa característica reduz as limitações do nível social: por exemplo, os pacientes sorriem com maior confiança. Somado a isso, por serem removíveis, podem fazer suas refeições, atividades físicas e praticar instrumentos musicais de sopro sem eles, além de facilitar a fonética em discursos profissionais. Ainda, proporciona uma melhor higienização dos alinhadores e dos dentes – não há risco de retenção dos alimentos no aparelho nas refeições e diminui o risco de cáries e gengivite.

“Ao efetuar tratamentos ortodônticos fixos, é recomendado a remoção do mesmo quando da realização de exames complementares de diagnóstico como ressonâncias magnéticas. Este procedimento é evitado no tratamento com os alinhadores. No caso de atletas de esportes de contato, os aparelhos são procurados pois podem servir de contenção nas atividades físicas, evitando por vezes traumas que possam ocorrer”, comenta.

O sistema proporciona outra vantagem: por ser transparente, a percepção do progresso do tratamento é real. Isso e a possibilidade de ver o resultado final no programa eletrônico de evolução aumentam a motivação dos pacientes, que passam a acompanhar mais atentamente a evolução e o sucesso do tratamento, diz Suelen.

Outro fator positivo em relação aos fixos, os invisíveis têm menos tendência a causar lesões na mucosa ou na língua, o que faz com que o paciente tenha menos consultas de urgência. E quando as lesões estão presentes, têm menor gravidade do que quando ocorrem em aparelhos fixos. Ainda, há uma redução do tempo de cadeira que o paciente está sujeito por consulta: os aparelhos já estão prontos devido ao planeamento prévio ao tratamento.

“Estes tipos de alinhadores não apresentam nenhum registro de atividade citotóxica (que causa danos ou lesões nas células) em estudos in vitro, que utilizaram um modelo padrão para avaliar a citotoxicidade de materiais. É de realçar que nos aparelhos convencionais de níquel-titânio pode ocorrer corrosão devido à sua permanente ligação com a saliva e assim haver a libertação de compostos tóxicos como o níquel. Este composto pode gerar reações de hipersensibilidade e alergias na mucosa e na pele do paciente”, finaliza Suelen.

Últimas