Cidades Saiba como evitar proliferação do mosquito que transmite dengue, zika e chikungunya

Saiba como evitar proliferação do mosquito que transmite dengue, zika e chikungunya

Nos meses de junho, julho e agosto, são registrados os mais intensos períodos de chuva em João Pessoa. Consequentemente, há o aumento dos casos de doenças virais transmitidas por mosquitos, como o Aedes aegypti e Aedes Albopictus, responsáveis pelas infecções da dengue, zika e chikungunya. Paraíba registra ‘aumento significativo’ nos casos prováveis de doenças causadas […]

Portal Correio
Óbitos por arboviroses, Arboviroses, Aedes

Óbitos por arboviroses, Arboviroses, Aedes

Portal Correio
Mosquito Aedes aegypti é transmissor de arboviroses (Foto: Imagem ilustrativa | Venilton Kuchler/ANPr)

Nos meses de junho, julho e agosto, são registrados os mais intensos períodos de chuva em João Pessoa. Consequentemente, há o aumento dos casos de doenças virais transmitidas por mosquitos, como o Aedes aegypti e Aedes Albopictus, responsáveis pelas infecções da dengue, zika e chikungunya.

Paraíba registra ‘aumento significativo’ nos casos prováveis de doenças causadas por mosquito

A infectologista Ana Isabel Vieira Fernandes, médica cooperada da Unimed João Pessoa, alerta sobre a importância de adotar alguns cuidados para evitar ambientes propícios à reprodução dos mosquitos e, consequentemente, a transmissão da chikungunya.

“Não há vacina ou remédio específico. A prevenção eficaz é feita combatendo as larvas dos mosquitos e suas formas adultas com medidas de vigilância, eliminando os focos em casa ou em terrenos e imóveis fechados”, orienta. De acordo com a médica, também há os cuidados individuais com uso de roupas compridas em áreas com grande densidade do mosquito e uso de repelentes.

A doença viral afeta todo o corpo e pode causar alterações no fígado, complicações cardíacas, renais e neurológicas na fase aguda. Os idosos e quem já possui doenças crônicas, como diabetes e hipertensão, são mais suscetíveis a evoluir para um quadro grave.

“Os sintomas iniciais da chikungunya são febre alta e calafrios, dores no corpo e, em particular, nas articulações. Dor de cabeça e olhos, manchas no corpo e muita fadiga também são sintomas importantes”, explica. “A complicação mais frequente é o comprometimento osteoarticular, que pode provocar limitações aos pacientes”, informa.

Diagnóstico e tratamento

A forma mais efetiva de obter um diagnóstico, além dos exames clínicos, é por meio da realização de uma sorologia após o sétimo dia de sintomas. Segundo a especialista, é comum as pessoas confundirem os sintomas da chikungunya com os da dengue e zika, que são transmitidos por meio da picada da fêmea do mosquito Aedes Aegypti e Aedes Albopictus, mas são responsáveis por sintomas diferentes.

“As três viroses podem causas manchas na pele, mas a dengue se destaca pela possibilidade de sangramentos e pressão baixa. Já a zika pode causar inchaço nas articulações das mãos e manifestações neurológicas. A chikungunya se destaca das demais pela intensa agressão nas articulações, causando dores, inchaço e vermelhidão”, detalha Ana Isabel.

A infecção inicialmente deve ser tratada com hidratação. Para as dores nas articulações, a recomendação é o uso de analgésicos, que devem ser orientados pelo médico de acordo com a intensidade da dor, além de repouso, hidratação constante e compressas frias nas articulações.

Ana Isabel Vieira ressalta que é preciso cuidado na hora de diagnosticar qualquer infecção, principalmente na pandemia. “Podem surgir alguns sintomas que também acontecem com a transmissão da Covid-19, mas que diferem na presença de sintomas respiratórios, como coriza, tosse, perda de olfato e congestão nasal, que são frequentes na Covid-19”, alerta.

Últimas