Cidades Volume de vendas na PB tem queda em dezembro, mas fecha ano com alta superior à média do Brasil

Volume de vendas na PB tem queda em dezembro, mas fecha ano com alta superior à média do Brasil

O volume de vendas do comércio varejista na Paraíba registrou queda de 4,7% em dezembro, de acordo com a Pesquisa Mensal do Comércio (PMC), divulgada pelo IBGE, nesta quarta-feira (10). No entanto, apesar da retração frente ao mês anterior, o setor encerrou o ano de 2020 com um saldo positivo de 2,4% nas vendas, melhor […]

Portal Correio
Serviços

Serviços

Portal Correio
Foto: Imagem ilustrativa/Divulgação/Secom-PB

O volume de vendas do comércio varejista na Paraíba registrou queda de 4,7% em dezembro, de acordo com a Pesquisa Mensal do Comércio (PMC), divulgada pelo IBGE, nesta quarta-feira (10). No entanto, apesar da retração frente ao mês anterior, o setor encerrou o ano de 2020 com um saldo positivo de 2,4% nas vendas, melhor que o verificado em dezembro de 2019 (-1%).

Ainda no acumulado de 12 meses, a receita nominal do comércio paraibano também teve crescimento (7%). Esses resultados estaduais foram superiores aos constatados na média brasileira, tanto no volume(1,2%), como no índice de receita (6%).

Na comparação com o indicador de novembro, a receita nominal arrecadada pelo setor, no estado, recuou 2,3%no último mês do ano, enquanto nacionalmente essa redução foi mais intensa, de 5,3%. Na média do país, o volume de vendas também diminuiu (6,1%).

Em relação a dezembro de 2019, a pesquisa constatou retração de 3,4% no volume de vendas, porém acompanhada por alta de 4,7% na receita. Nesse mesmo comparativo, os índices nacionais foram mais positivos, 1,2% e 9,2%, respectivamente.

No comércio varejista ampliado – queinclui as atividades de veículos, motos, partes e peças e de material de construção – também houve recuo no volume de vendas na comparação com novembro (-1%), ao passo que a receita nominal variou 0,1%. No acumulado dos 12 meses, as variações foram positivas, de 0,4% e 4,9%, respectivamente, acima também das médias do Brasil, -1,5% e 3,3%.

Últimas