Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

Cheque vai mudar para ficar mais moderno e seguro, diz BC

Os clientes poderão ter o nome social impresso na folha do cheque, como a prática estabelecida no Pix

Economia|Do R7


Regulação será feita pelas instituições
Regulação será feita pelas instituições

O Banco Central anunciou nesta sexta-feira (5) que o cheque vai mudar. A medida é para dar mais segurança e permitir inovações no uso do meio de pagamento. Os clientes poderão ter o nome social impresso na folha do cheque, como a prática estabelecida no Pix. "O formato-padrão do cheque vai mudar para ficar mais moderno e seguro para os usuários do sistema financeiro", disse o BC em nota.

Para isso, o Banco Central e o CMN (Conselho Monetário Nacional) aprovaram, recentemente, duas resoluções que revisam, consolidam e aprimoram a regulamentação dos cheques e a Compe (Centralizadora da Compensação de Cheques), sistema responsável pela compensação interbancária de cheques. 

A principal mudança efetuada é a transferência da regulação do modelo-padrão do cheque para as instituições financeiras que ofereçam contas de depósitos à vista. Antes, essa definição cabia ao Banco Central e, agora, será de responsabilidade das instituições financeiras — por meio de autorregulação do próprio mercado —, que terão a atribuição de definir aspectos relacionados a esse modelo-padrão.

Foi decidido que a medida começa a valer em 2 de outubro de 2023 — até lá, vão ser mantidas as regras atualmente estabelecidas. 

Publicidade

Leia também

"O novo padrão do cheque ajudará no combate às tentativas de fraude por criminosos que utilizam cheques falsos para prejudicar o cidadão", disse Antonio Guimarães, consultor do Denor (Departamento de Normas), do Banco Central.

Ele afirmou que eventuais modificações não devem alterar os cheques à disposição dos correntistas de bancos atualmente. “Até porque alterações significativas implicariam custos elevados de adaptação pelos próprios bancos”, observou.

Publicidade

Quando fala em mudança de funcionalidade, ele cita, por exemplo, os campos que identificam a agência em que o cliente tem conta. “Esse espaço pode passar a armazenar um código de segurança para garantir que o cheque é legítimo, por exemplo. O objetivo principal é aprimorar o uso do instrumento para a prevenção de fraudes”, completou.

Já no que diz respeito ao Grupo Consultivo da Compe (Grupo Compe), o BC passará a participar desse colegiado como observador, e não mais como membro permanente, modelo inspirado no Open Finance.

Publicidade

• Compartilhe esta notícia no Whatsapp

• Compartilhe esta notícia no Telegram

Nome social

Outra mudança relevante é a que permite a inclusão do nome social do usuário em suas folhas de cheque. A inspiração para essa alteração veio do Pix, que já permite o uso do nome social por parte de seus usuários.

Os interessados em ter seu nome social em suas folhas de cheque devem entrar em contato com as instituições financeiras com as quais mantenham relacionamento para saber como proceder.

Mesmo com o uso em declínio comparativamente a outros instrumentos de pagamentos mais modernos (redução de 97% na sua utilização em 27 anos), o cheque ainda movimentou expressivos R$ 667 bilhões em 2021 e R$ 666 bilhões em 2022, no Brasil.

“Por ser um título executivo extrajudicial, que preserva todas os benefícios inerentes a um título de crédito — como, por exemplo, a possibilidade de execução extrajudicial —, o cheque, apesar da crescente diminuição em sua utilização, se mantém como um importante instrumento de pagamento”, analisou Guimarães.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.