Ibovespa ensaia recuperação com ajuda de Petrobras, mas Covid-19 mantém volatilidade

Por Paula Arend Laier

SÃO PAULO (Reuters) - O Ibovespa avançava nesta quinta-feira, com os papéis da Petrobras entre as maiores contribuições positivas na esteira da alta do petróleo no exterior, enquanto a pandemia do Covid-19 continua adicionando volatilidade aos mercados.

Às 11:28, o Ibovespa subia 1,03%, a 71.697,26 pontos. O volume financeiro somava 4,35 bilhões de reais.

Na véspera, o Ibovespa caiu 2,81%, a 70.966,70 pontos, após fechar março com perda acumulada de quase 30%.

"A manutenção do cenário de forte incerteza continua promovendo volatilidade adicional aos mercados", destacou a equipe da Guide Investimentos em relatório a clientes.

No Brasil, novas medidas para atenuar os efeitos da pandemia foram anunciadas, incluindo autorização ao Banco Central para conceder empréstimos a instituições financeiras tendo como garantia as carteiras de crédito das mesmas.[L1N2BQ0H1]

Em Wall Street, os pregões não mostravam uma tendência clara, após recorde de pedidos de auxílio-desemprego, de 6,65 milhões, na última semana, muito acima do esperado. O S&P 500 subia 0,45%.

None

DESTAQUES

- PETROBRAS PN subia 7% e PETROBRAS ON avançava 7,5%, na esteira da alta dos preços do petróleo, depois que o presidente norte-americano Donald Trump disse que espera que Arábia Saudita e Rússia cheguem a um acordo em breve para encerrar a disputa entre os dois países pelo mercado de petróleo.

None

- GOL PN e AZUL PN avançavam 3,5% e 2,3%, respectivamente, em sessão de recuperação após perdas expressivas na véspera. CVC BRASIL ON, que também tem sido fortemente afetada pela pandemia, tinha elevação de 3,3%.

None

- JBS ON perdia 2,5%, na ponta negativa, com o MARFRIG ON em baixa de 1,3%, após fecharem em alta na véspera, na contramão do mercado. BRF ON subia 2,5%.

None

- VALE ON mostrava elevação de 0,8%, tendo de pano de fundo a alta dos futuros do minério de ferro na China nesta quinta-feira, após terem caído cerca de 3% mais cedo na sessão, por preocupações com a demanda por aço devido à rápida disseminação da pandemia de coronavírus.

None

- SUZANO ON valorizava-se 3,6%. Após conversa com o presidente da companhia, analistas do BTG Pactual disseram que ficaram surpreendidos positivamente com o que a empresa tem feito neste momento de crise. A Suzano também disse na semana passada que estava elevando os preços de celulose na China em abril em 30 dólares a tonelada.

None

- ITAÚ UNIBANCO PN subia 0,8% e BRADESCO PN avançava 0,3%, também ensaiando recuperação após forte quedas na quarta-feira. BANCO DO BRASIL ON tinha acréscimo de 1,3%.