Safras aumenta previsão de colheita de soja do Brasil para recorde de 124,6 mi t

SÃO PAULO (Reuters) - O Brasil deverá colher 124,554 milhões de toneladas de soja na temporada 2019/20, estimou nesta sexta-feira a consultoria Safras & Mercado, elevando sua projeção em 0,8% em relação aos números de janeiro.

A estimativa, que aponta para um recorde de produção da oleaginosa no país e supera em 4,4% a safra de 2018/19, baseia-se em um crescimento de 1,9% da área plantada, a uma máxima histórica de 37,072 milhões de toneladas, disse a Safras.

Segundo a consultoria, a estimativa superior à de janeiro se deve a leves ajustes realizados para as produtividades médias de alguns Estados do Centro-Oeste, além de um ajuste positivo para a área plantada em Mato Grosso, principal produtor do grão.

"A evolução da colheita, embora em um ritmo mais lento que a média normal para essa época do ano em nível país, começou a revelar produtividades acima do esperado no Mato Grosso e em Goiás", disse o analista da Safras, Luiz Fernando Roque.

"O excesso de chuvas registrado em alguns Estados da faixa central do país em janeiro não chegou a afetar de forma relevante a maior parte das lavouras."

Enquanto isso, melhoras nas condições de umidade no Rio Grande do Sul e na Bahia em janeiro foram um fator positivo, considerando que as regiões sofreram com a seca nos últimos meses, acrescentou a consultoria.

A Safras trabalha com produtividade média de 3.377 quilos por hectare, quase 2,5% acima do rendimento de 2018/19.

None

MILHO

Para o milho 2019/20, a Safras & Mercado também realizou ajuste positivo em relação à estimativa de janeiro. A consultoria projeta agora uma colheita de 104,75 milhões de toneladas, alta de 1,4% ante o visto no mês passado, mas ainda aquém dos 107,375 milhões de toneladas de 2018/19.

A empresa aposta em produção de 21,728 milhões de toneladas na safra verão, 12,5% abaixo do registrado na temporada passada, embora uma recuperação nas estimativas para Santa Catarina e Paraná tenha compensado as perdas vistas no Rio Grande do Sul.

Já a chamada "safrinha" deve resultar em 74,997 milhões de toneladas, número levemente acima da segunda safra de 2018/19, puxada por um aumento de 3,1% na área cultivada com o cereal.

None

(Por Gabriel Araujo)