Educação Como fica a educação das crianças com Down durante a quarentena?

Como fica a educação das crianças com Down durante a quarentena?

Crianças devem continuar com as terapias e devem receber os estímulos para continuar com o seu desenvolvimento

  • Educação | Karla Dunder, do R7

Simone com Livia e Arthur

Simone com Livia e Arthur

Arquivo Pessoal

Simone Amodio Pereira Sato é mãe de Lívia, de 6 anos, e  de Arthur, de 3 anos. Como tantas mães neste período de isolamento para o combate da pandemia da Covid-19, causada pelo novo coronavírus, Simone divide seu tempo entre os dois filhos, o home office e as atividades domésticas.

Leia mais: Isolamento domiciliar: famílias transformam limão em limonada

Além  de acompanhar os filhos nas aulas online enviadas pela escola, Simone precisa dedicar um tempo extra para dar sequência às terapias e à fisioterapia do Arthur, que tem Síndrome de Down.

Para não perder o ritmo, as terapias são realizadas por meio de vídeo chamada. "As terapeutas mandam mensagem e sugerem atividades como a terapeuta ocupacional que nos orientou'brincar' com massinha caseira para ele desenvolver o tato e a percepção e também a fazer um varal com pregadores de roupa para ele desenvolver a coordenação e o movimento de pinça", conta Simone.

Leia mais: Saiba como proteger as crianças durante pandemia de covid-19

Arthur acompanha aula por vídeo

Arthur acompanha aula por vídeo

Arquivo Pessoal

O tratamento com a fonoaudióloga e fisioterapeuta funciona de maneira até mais intensa com as vídeo chamadas e exercícios.

Nesse processo Simone conta a ajuda da irmã mais velha, a Livia. "Ela estimula muito o irmão, brinca, mas as vezes na terapia acaba tirando a concentração", diz.

A engenheira Gisely Iácono vive uma realidade parecida com os gêmeos Manuela e Rafael, de 4 anos. Rafael também tem síndrome de Down e ela precisa equilibrar a rotina de trabalho com as crianças. "Eu faço home office e combinei com a minha gestora que vou precisar em alguns momentos para fazer as atividades das crianças e em especial os exercícios e estímulos do Rafael".

Leia mais: Profissionais oferecem atividades online para entreter as crianças

Para dar conta, Gisely compensa as horas trabalhando até tarde da noite, dependendo do dia. "Um dos exercícios propostos pela terapeuta ocupacional para o Rafael é o desfralde, preciso parar várias vezes para levá-lo ao banheiro, além dos exercícios que ele precisa fazer e as atividades da escola ficam para o fim de semana."

A psicopedagoga Ivone Scatolin destaca que a tecnologia, como as aulas e atividades online são muito utilizadas para todos os alunos, mesmo para aqueles com alguma síndrome, transtornos ou com alguma dificuldade no aprendizado.

Gisely com os gêmeos Manuela e Rafael

Gisely com os gêmeos Manuela e Rafael

Arquivo Pessoal

"Essas novas tecnologias favorecem e contribuem no  desenvolvimento das pessoas com necessidades especiais por permitirem o acesso ao conhecimento, ampliarem as habilidades funcionais e promoverem autonomia e inclusão", explica.

No entanto, destaca que "como qualquer recurso pedagógico, é necessário que o conteúdo seja adaptado à condição do aluno e os pais sejam orientados pela escola como utilizar o conteúdo nesse período de pandemia."

Como observa Ivone, sem a orientação adequada "corre-se o risco de não atingir o objetivo maior que é a aprendizagem significativa, além se criar um clima de ansiedade nos pais ou na pessoa que está junto com a criança mediando este processo."

Leia mais: Exercícios e brincadeiras tornam o isolamento mais divertido

A fonoaudióloga Adriane Santoro Bastos Gebin, 50 anos, especialista em Síndrome de Down é categórica: "todas as crianças precisam de oportunidades para continuar o seu desenvolvimento."

Devido a imunidade baixa, as crianças não podem sair de casa nesse período de isolamento. Aquelas que já fazem terapia em clínicas devem continuar seguindo as orientações e dar continuidade ao tratamento em casa. 

Para os pais ou cuidadores que não têm essa oportunidade, Adriane dá algumas dicas: "O momento do banho, por exemplo, é uma oportunidade de interação entre bebês e pais, fazer perguntas e ver as reações, conversar é uma forma de estimular a fala da criança."

Um bebê não pode ficar só no carrrinho ou berço, deve ser colocado em um tapetinho com brinquedos para estimular o seu desenvolvimento. Para as crianças maiores, vale sentar por meia hora e brincar. "Os pais vão perceber como está o desenvolvimento delas e poderão estimular ainda mais."

Apresentar diferentes texturas, temperaturas e sons. Amassar papel celofane, imitar os sons dos animais. Contar histórias e deixar que a criança reconte do seu jeito, com suas próprias palavras são algumas orientações.

"Apesar de todas as dificuldades do isolamento, essa é um grande oportunidade dos pais estarem com seus filhos em tempo integral", conclui Adriane. 

Últimas