Educação Conheça as meninas brasileiras que querem mudar o mundo

Conheça as meninas brasileiras que querem mudar o mundo

Premiação destaca atuação de jovens estudantes e o impacto social de seus projetos no país. Edição deste ano do Força Meninas será online

Força Meninas: grupo destaca ações de meninas e inspira jovens talentos

Força Meninas: grupo destaca ações de meninas e inspira jovens talentos

Divulgação

Neste mês de outubro, jovens estudantes que se destacaram por seus projetos de impacto social serão premiadas no “Mude o Mundo Como uma Menina”, promovido pela Força Meninas. A cerimônia online está marcada para o dia 29, mas todas as terças e quintas deste mês meninas de todas as idades são convidades a participar de conversas com garotas de destaque e especialistas.

Leia mais: Cientistas inspiram meninas a conhecer o universo da pesquisa

"Nossa proposta é apresentar o que essas meninas foram capazes de fazer, mesmo com o desafio da pandemia de coronavírus, e inspirar as mais novas, mostrar que temos muito potencial e força", explica a organizadora Deborah De Mari. 

Premiação destaca projetos

Premiação destaca projetos

Divulgação

Neste ano, o Força Meninas traz como novidade a categoria “Desafio Juntas Somos Força”, que reconhece quem tem um projeto inovador em fase preliminar ou muita vontade de construir algo e solucionar temas como saúde de meninas e mulheres; educação e empregabilidade; meio ambiente; ciências e tecnologia e prevenção de violência contra garotas.

"A ideia é impulsionar ações de meninas que estão dando os primeiros passos em seus projetos," explica Deborah.

O desafio está aberto e as interessadas podem se inscrever pelo site do Força Meninas até a próxima terça-feira (20). Será escolhido um projeto ou uma ideia em cada temática e as vencedoras ganham um Kit da Força Meninas, com mentoria para tirar a iniciativa do papel.

Garotas em Ação

Uma comissão de juradas premiará os projetos nas seguintes categorias: Criativa, Pioneira, Visionária, Determinada e Líder. As vencedoras participam de um programa de formação sobre habilidades do futuro durante seis meses, com pacote de conferências, sessões de mentoria oferecidas pela curadoria do Força Meninas e um curso em parceria com a Silicon House, organização do Vale do Silício (EUA) que auxilia mulheres empreendedoras.

Leia mais: Pesquise como uma garota

Entre as indicadas para a categoria principal do prêmio estão Patrícia Honorato, que, em parceria com a Juliana Estradioto, idealizou uma feira de jovens cientistas totalmente on-line. Amanda Costa, que é ativista do clima, e responsável pelo Perifa Sustentável; e a bailarina Thuany Nascimento, que apoiou as famílias de mais 80 meninas da sua escola de balé durante a pandemia com entrega de cestas básicas e de higiene pessoal. Além de Luiza Villanova e o Gotinhas do Bem, que combate a prática de bullying.

Arquivo Pessoal

Amanda participou em 2017 da Conferência da ONU (Organização das Nações Unidas) sobre o clima. "Fiquei maravilhada, eu estava no segundo ano da faculdade e consegui ir depois de fazer vaquinha, achei tudo muito chique", conta. A jovem moradora da Brasilândia, periferia da zona norte de São Paulo foi com o firme propósito de construir uma realidade diferente ao seu redor.

"Eu queria que as pessoas da comunidade entendessem o que está acontecendo e percebam que sim, nós temos lugar de fala e devemos ocupar esse espaço", explica Amanda. 

Surgiu assim o Perifa Sustentável que tinha como objetivo ouvir as pessoas e saber o que elas entendem sobre o assunto e democratizar a agenda da ONU com os 17 objetivos de desenvolvimento sustentável.

Leia mais: Brasileira ganha 1º lugar em feira de ciências e dará nome a asteroide

"Com a pandemia, tivemos de parar com os workshops presenciais e passamos a trabalhar de maneira virtual, mas com o mesmo objetivo, de criar políticas públicas para mudar a realidade."

Luiza Villanova com o seu Gotinhas do Bem

Luiza Villanova com o seu Gotinhas do Bem

Arquivo Pessoal

Outra jovem destaque na premiação é Luiza Villanova, que de uma experiência pessoal criou um projeto Gotinhas do Bem que já extrapolou as fronteiras do Brasil e o continente.

"Eu fui vítima de bullying na infância, não entendia porque aquilo acontecia comigo e decidi escrever um livro sobre o assunto", isso quando Luiza tinha apenas 13 anos. Ao fazer suas pesquisas, se deparou com a crise migratória e as pessoas em situação de refúgio, além do racismo e apartheid.

"Percebi que o mundo tem muitos problemas, muito maiores que os meus, e decidi fazer algo: trabalhar essa questão do bullying mas lidando com as habilidades sócio-emocionais, não adianta colar cartaz na escola e dizer que é errado se não ir na causa", avalia Luiza.

Nasceu assim o Gotinhas do Bem, que começou a discutir liderança com as princesas da Disney e trabalho em equipe com os piratas com 300 crianças de uma escola na periferia de Goiânia e atualmente já atingiu 8 mil crianças e adolescentes e três continentes envolvidos.

Todo o trabalho é realizado por voluntários e as ações contam com apoio local.  Com a pandemia, as atividades presenciais foram suspensas e a ferramenta escolhida para atingir as crianças e adolescentes foi o Tik Tok.

"Como muitas crianças não têm acesso à internet ou a uma conexão de qualidade, desenvolvemos kits para serem distribuídos nas comunidades."

Bate Papo:

Meninas de todo o Brasil cursando séries do Ensino Fundamental 2 ao Ensino Médio podem participar se inscrevendo no site da Força Meninas. Confira os temas dos próximos diálogos:

Diversidade e equidade: como garantir educação de qualidade e empregabilidade para meninas em vulnerabilidade? na terça (20).

O Planeta e Eu: como melhorar a nossa relação com a gente, com os outros e o meio ambiente? na quinta (22)

O Futuro é feminino: como inserir mais meninas em Tecnologia e nas Ciências? (dia 27)

Cerimônia de premiação online (dia 29)

Últimas