Educação Pandemia faz matrículas recuarem 7,1% na rede particular do país

Pandemia faz matrículas recuarem 7,1% na rede particular do país

Com ensino fundamental praticamente universalizado, frequência escolar diminui de forma acentuada para alunos de 15 a 17 anos

  • Educação | Do R7

Resumindo a Notícia

  • Matrículas na educação infantil no Brasil tiveram queda de 7,1% na rede privada em 2020
  • Redução influenciou nos números gerais da educação infantil, com baixa de 1,6%
  • Já na rede pública, houve aumento de 0,5% nas matrículas
  • Frequência escolar diminui de forma acentuada dos 15 aos 17 anos
Na rede pública, houve aumento de 0,5% nas matrículas

Na rede pública, houve aumento de 0,5% nas matrículas

Dirceu Portugal /Fotoarena/Estadão Conteúdo - 07.12.2020

As matrículas de alunos na educação infantil em todo o Brasil tiveram queda de 7,1% na rede privada no ano passado ante 2019, apontou o Censo Escolar da Educação Básica 2020, divulgado nesta sexta-feira (29) pelo Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira).

A redução acentuada no ano da pandemia de covid-19 influenciou diretamente nos números gerais de matrículas na educação infantil pelo país, que após um aumento de 8,4% entre 2016 e 2019, apresentou baixa de 1,6% em 2020. Na rede pública, houve aumento de 0,5% nas matrículas.

Gráfico mostra matrículas na rede de educação infantil pelo país de 2016 a 2020

Gráfico mostra matrículas na rede de educação infantil pelo país de 2016 a 2020

Reprodução/Inep

Durante a coletiva de imprensa de apresentação dos dados do Censo, o diretor de estatísticas educacionais do Inep, Carlos Moreno, destacou que há um declínio na taxa de frequência escolar dos alunos a partir dos 15 anos. 

Se dos 6 aos 4 anos de idade a frequência ultrapassa os 99% do total, nos anos do ensino médio ela tem quedas acentuadas, chegando a 78% para os alunos de 17 anos.

"Isso acende um alerta de que algum problema acontece na trajetória dos estudantes, sobretudo porque nas faixas etárias anteriores temos a universalização do acesso", disse Moreno.

Ao todo, entre estudantes que não frequentam a escola atualmente, o número chega a 1,5 milhão de crianças e adolescentes de 4 a 17 anos.

Internet

Recurso de relevância para todas as escolas, a internet é menos presente para seis estados brasileiros: Acre, Amazonas, Maranhão, Roraima, Pará e Amapá possuem acesso à rede em menos de 60% de suas unidades de educação básica.

Com o maior número de escolas do ensino fundamental, a rede municipal é que possui a menor proporção de escolas com internet, com somente 52% das unidades.

Veja também: Inep corrige gabarito de Enem após acusações de racismo em respostas

Percentual de recursos tecnológicos disponíveis nas escolas de ensino fundamental

Percentual de recursos tecnológicos disponíveis nas escolas de ensino fundamental

Reprodução/Inep

Professores

Entre os professores dos anos iniciais das escolas de ensino fundamental, 85,3% têm nível superior completo (81,8% em grau acadêmico de licenciatura e 3,5% de bacharelado) e 10% têm ensino médio normal/magistério. Do total, 4,7% possuem somente nível médio ou inferior.

Em 2020, houve melhor na qualificação dos professores desta etapa do ensino fundamental: os números de docentes com ensino superior completo aumentou de 79,7% em 2019 para 81,8%, e diminuiu na categoria ensino médio ou inferior (de 5,2% para 4,7%).

Últimas