Educação Pesquisa mostra que 22% não estão na idade adequada para a série

Pesquisa mostra que 22% não estão na idade adequada para a série

Relatório da Unicef produzido com base no Censo Escolar do Inep aponta problemas na educação brasileira, mas lança site com soluções possíveis 

Relatório Unicef sobre evasão escolar

Pesquisa aponta abandono escolar como grave problema no Brasil

Pesquisa aponta abandono escolar como grave problema no Brasil

Marcelo Camargo/Agência Brasil

Um provérbio africano diz que é preciso uma aldeia inteira para educar uma criança. Entendendo que é responsabilidade de todos garantir o direito das crianças à educação, a Unicef (Fundo das Nações Unidas para a Infância) lança o site Trajetórias de Sucesso Escola (trajetoriaescolar.org.br) nesta quinta-feira (31).

Com base nos dados do Censo Escolar de 2018 divulgado pelo Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira), órgão ligado ao MEC (Ministério da Educação), a Unicef fez um levantamento do número de crianças e adolescentes que reprovam, as distorções de idade e a série (22% dos estudantes de escolas públicas) e o abandono escolar. No site, todos os interessados também podem conferir soluções para o problema com casos reais e um curso online a partir de dezembro.

Pesquisa

Nessa pesquisa, é possível observar que 9% dos estudantes matriculados em escolas municipais e estaduais, 2,6 milhões de alunos reprovaram em 2018 e destes 1,2 milhão são pretos e pardos. A repetência também atinge mais os meninos – 1 em cada 10 repetiu de ano em 2018. O estudo também mostra que 59% dos estudantes com deficiência têm mais probabilidade de reprovarem que aqueles sem deficiência.

9% dos estudantes matriculados em escolas públicas reprovaram em 2018

Quanto mais reprovam, maior a distância entre a idade adequada para a série e também maior é a probabilidade de o aluno abandonar a escola. Como mostra a pesquisa, 1 em cada 5 estudantes brasileiros de escolas públicas tem 2 ou mais anos de atraso escolar. São mais de 6,4 milhões de crianças e adolescentes nessa situação, o que representa mais de 22% das matrículas. O atraso escolar é um fenômeno que atinge 54,8% das crianças da região Norte e Nordeste.

Os indígenas têm as maiores taxas de abandono e reprovação do país. Metade dos alunos que abandonaram a escola são pretos ou pardos.

Solução

Com base nesses dados, a Unicef em parceria com o Instituto Claro, reunião no site – além da pesquisa – estratégias a serem utilizadas por estados para diminuir o atraso e abandono escolar.  Essas ações integradas em três níveis de gestão: das redes, das escolas e da sala de aula estão reunidas em caderno. Esse material também deve virar um curso online, gratuito e acessível a todos.

“Nossa meta é que nenhum estudante venha a reprovar, os dados mostram que esse sistema não é o ideal, assim como também não é aquele de aprovação compulsória, queremos garantir a todos os estudantes o direito a educação”, afirma Ítalo Dutra, da Unicef.

Três estados já caminham em parceria com a Unicef para a transformação curricular, observando cada aluno como um indivíduo único: Sergipe, Roraima e Distrito Federal.