Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Notícias R7 – Brasil, mundo, saúde, política, empregos e mais
Publicidade

Nathalie Moellhausen, formada pela Sorbonne, usa a máscara e a arte para renascer na esgrima

Nathalie Moellhausen veste a máscara desde os cinco anos, quando começou sua jornada na esgrima. O acessório sempre encantou a atleta...

Estadão Conteúdo|Do R7


Nathalie Moellhausen veste a máscara desde os cinco anos, quando começou sua jornada na esgrima. O acessório sempre encantou a atleta nascida na Itália, filha de pai alemão e mãe brasileira e que vive em Paris há 15 anos. Quando ganha, ela aparece sem o apetrecho em suas publicações nas redes sociais. Quando perde, como aconteceu na Olimpíada de Tóquio, prefere ficar reclusa.

“Quando eu ganho, eu revelo quem eu sou, tiro a máscara, porque tenho que me entregar, tenho que me revelar”, justifica a esgrimista ítalo-brasileira em entrevista ao Estadão. “Quando estou com a máscara, encontro inspiração para me comunicar. É a forma de expressar meu lado artístico”, define. Formada em filosofia pela conceituada Universidade de Sorbonne, na França, já foi modelo e também é empresária e diretora de arte,

Nathalie concilia há anos a esgrima com a arte. E a máscara, na vida e na carreira, sempre a acompanha. É com ela que se sente à vontade para se comunicar, se expressar e conhecer a si mesma. “A máscara realmente é um objeto sagrado pra mim porque, de certa forma, quando eu visto a máscara, me empodero, me transformo, expresso outras partes de mim”, diz. Seu português é fluente, mas o sotaque é italiano. Nascida em Milão, ela escolheu trocar a Itália pelo Brasil, onde nunca morou, mas é a nação que escolheu representar como esgrimista desde 2014.

Publicidade

Ainda que a esgrima não seja popular no Brasil, Nathalie era esperança de medalha na Olimpíada de Tóquio. Ela foi ao Japão com o título mundial de 2019 na bagagem, o primeiro da história do País na modalidade, além do quarto lugar no ranking. Um toque, porém, bastou para ser eliminada na primeira rodada, por 10 a 9, pela italiana Rossella Flamingo, prata na Rio-2016. “Foi a derrota mais dolorida da minha vida”, admite. “Aquela derrota foi a que me deu mais força para entender o que eu estava realmente precisando para mudar”.

Publicidade

Nathalie, conta, demorou um tempo para se reconstruir. Na cabeça dos outros, ela havia sumido. Mas não, voltou a treinar, mudou de técnico, passou a entender que a expectativa que tinha sobre si poderia ser diferente da que os outros nutriam em relação a ela. “Dez dias depois da Olimpíada, eu já estava treinando sozinha, ninguém ligava para saber, não tinha postagens nas redes sociais, não tinha nada, tinha só eu treinando e pensando que era importante manter para minha saúde mental os treinos”, conta.

Publicidade

O “sumiço” fortaleceu a atleta. Ela começou 2023 com duas vitórias importantes. Ganhou duas etapas da Copa do Mundo, em Doha, no Catar, e em Barcelona, na Espanha. Os resultados confirmaram sua tese: quando triunfa, é notícia. E intensificaram sua reflexão sobre exposição, principalmente no ambiente virtual.

“As pessoas ficaram surpresas que eu voltei porque elas achavam que, como não estava competindo, tinha parado, mas nunca parei. Esse é o jogo das máscaras”, reflete. “O que os outros veem de você não é a sua realidade. A gente escolhe o que quer expor de nós”.

Parceria com Kobra

Enquanto treina e compete para ir à sua quarta Olimpíada, a de Paris, Nathalie trabalha para desenvolver e popularizar a esgrima no Brasil. Essa missão, que diz ser mais importante do que ganhar uma medalha olímpica, é difícil, mas não um sonho utópico, ela entende.

“Chega uma hora em que os apoios financeiros são muito fracos para poder oferecer uma possibilidade para os atletas de serem campeões amanhã. Muitos atletas com muito talento não continuam a trajetória porque não têm apoio financeiro e moral”, constata. “Quero mudar um pouco isso”.

Desse desejo de mudar a realidade da esgrima no Brasil nasceu um projeto social e artístico. A espada dela cruzou o spray do artista brasileiro Kobra no ano passado. Em novembro, lançou, em parceria com o muralista, o “Seja seu Próprio Herói”, projeto social que, claro, tinha de ter a máscara como tema.

Kobra vai pintar três “heróis” em cada uma dessas máscaras: um leão, o animal mais desenhado pelas crianças de dez projetos sociais, o líder pacifista indiano Mahatma Gandhi e a religiosa Madre Teresa de Calcutá. “As crianças sabem o que é preciso para ser campeão. Isso é triste porque elas se deparam com uma realidade em que são incapazes de realizar seus sonhos. É preciso um apoio financeiro e moral”, constata.

As três máscaras serão leiloadas e o dinheiro arrecadado será destinado para instituições que ajudam crianças a competir na categoria U13. As três melhores ranqueadas vão ganhar uma passagem cada para ir assistir aos Jogos de Paris, em 2024.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.