Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Notícias R7 – Brasil, mundo, saúde, política, empregos e mais
Publicidade

Sem participação de Rússia e China na cúpula de paz, EUA anunciam US$ 1,5 bilhão em ajuda à Ucrânia

A vice-presidente dos Estados Unidos, Kamala Harris, prometeu total apoio dos EUA à Ucrânia e aos esforços globais para alcançar “uma...

Estadão Conteúdo|Do R7


A vice-presidente dos Estados Unidos, Kamala Harris, prometeu total apoio dos EUA à Ucrânia e aos esforços globais para alcançar “uma paz justa e duradoura” e anunciou a doação de US$ 1,5 bilhão (R$ 8 bilhões) para o país reconstruir seu setor energético, ajudar os refugiados e fortalecer sua segurança civil, em um encontro com o presidente ucraniano Volodimir Zelenski.

Harris representou os Estados Unidos na Cúpula de Paz sobre a guerra entre Rússia e Ucrânia, que acontece na Suíça e tem como objetivo propor soluções para o fim do conflito que dura 28 meses.

“A agressão da Rússia é mais do que apenas um ataque às vidas e à liberdade do povo da Ucrânia”, disse Harris aos líderes de 100 nações e organizações globais que participam da cúpula.

“Não é apenas um ataque à segurança alimentar global e aos suprimentos de energia. A agressão da Rússia é também um ataque às regras e normas internacionais e aos princípios consagrados na Carta da ONU”, disse Harris. Ela afirmou, ainda, que os EUA estão comprometidos em continuar “a impor custos à Rússia”.

Os recursos incluem US$ 500 milhões em novos financiamentos para assistência energética e US$ 324 milhões em fundos redirecionados para reparos emergenciais de infraestrutura energética. Mais de US$ 379 milhões do Departamento de Estado e da Agência dos EUA para o Desenvolvimento Internacional devem ser usados para ajudar milhões de pessoas afetadas pela guerra, incluindo refugiados.

O montante se soma aos US$ 50 bilhões (R$ 269 bilhões) doados pelo G-7 à Ucrânia, utilizando ativos russos congelados, que seriam desbloqueados até o fim do ano.

A Rússia não foi convidada para a cúpula. O presidente Vladimir Putin prometeu na sexta-feira ordenar “imediatamente” um cessar-fogo na Ucrânia e iniciar negociações se Kiev começasse a retirar tropas das quatro regiões anexadas por Moscou em 2022 e renunciasse aos planos de aderir à OTAN.

A Ucrânia chamou a proposta de Putin de “manipuladora” e “absurda”. Harris disse que Putin “não está pedindo negociações. Ele está pedindo rendição. A América está com a Ucrânia, não por caridade, mas porque é do nosso interesse estratégico.”

Outra grande potência global, a China, também anunciou que só iria participar de negociações que envolvessem as duas partes em conflito.

“Pular a cúpula é uma oportunidade perdida para o presidente e para os Estados Unidos”, disse Bradley Bowman, diretor sênior do Centro de Poder Militar e Político da Fundação para a Defesa das Democracias em Washington. “Dito isso, enviar a vice-presidente com o conselheiro de segurança nacional não é exatamente enviar a equipe de reserva.”

Zelenski disse aos líderes que com o encontro eles conseguiram evitar uma armadilha assustadora da guerra: a divisão do mundo em campos. Mas ele disse que eles tinham muito mais a realizar com a conferência. “Na primeira cúpula da paz, devemos determinar como alcançar uma paz justa, para que na segunda, já possamos resolver o fim real da guerra”, disse ele.

Biden tem recorrido cada vez mais a Harris enquanto tenta reconstruir a coalizão de eleitores que garantiu a vitória sobre Trump.

Mas, assim como Biden, Harris também viu sua posição entre os americanos diminuir. Cerca de 4 em cada 10 eleitores registrados têm uma visão um tanto ou muito favorável de Harris, de acordo com uma recente pesquisa da Associated Press-NORC Center for Public Affairs Research.

Cerca de metade tem uma visão um tanto ou muito desfavorável dela, e cerca de 1 em 10 não sabe o suficiente para opinar. Suas avaliações positivas são semelhantes às de Biden.

A campanha de Trump provocou Harris por seu papel substituto na Suíça, com a porta-voz Karoline Leavitt dizendo que a vice-presidente “falhou até agora em todas as tarefas que lhe foram dadas”.

Trump e seus aliados ocasionalmente atacaram Harris, sugerindo que um voto em Biden é efetivamente um voto para Harris eventualmente se tornar presidente./COM AP

Este conteúdo foi traduzido com o auxílio de ferramentas de Inteligência Artificial e revisado por nossa equipe editorial. Saiba mais em nossa Política de IA.





Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.