Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

Amor proibido: a história do relacionamento de Charles 3º e Camilla Parker 

Rei e rainha consorte tiveram final feliz após 35 anos; envolvimento foi marcado por traição e rejeição de Elizabeth 2ª

Internacional|Maria Cunha*, do R7


Charles 3º e Camilla durante aparição pública em cerimônia de funeral de Elizabeth 2ª
Charles 3º e Camilla durante aparição pública em cerimônia de funeral de Elizabeth 2ª

A história do relacionamento do rei Charles 3º e de Camilla Parker não é convencional. Apesar de se casar com Diana, o monarca britânico nunca superou o envolvimento que teve com a rainha consorte no passado. Mas, contra todas as probabilidades, Sua Majestade e a ex-namorada tiveram um final feliz 35 anos após se conhecerem.

Em 1970, o então príncipe Charles e Camilla se encontraram pela primeira vez em uma partida de pólo no Windsor Great Park, um parque real. Lá, Camilla brincou sobre o fato da bisavó dela ter tido um caso com o rei Edward 7º: “Minha bisavó era amante de seu tataravô. Sinto que temos algo em comum", ela teria dito segundo a revista Town & Country

Demonstrando estar certa, eles começaram a namorar, mas Charles saiu para servir na Marinha Real por oito meses. Quando ele voltou, Camilla já estava noiva de outra pessoa.

Em julho de 1973, Camilla se casou com Andrew Parker Bowles, um oficial da cavalaria do Exército que já havia namorado a irmã do príncipe Charles, a princesa Anne. O casal teve dois filhos, Tom e Laura Parker Bowles e, por ainda ser amigo de Camilla, o monarca britânico se tornou padrinho do menino.

Publicidade

Sem ficar para trás, em 1980, Charles, aos 31 anos, começou a namorar Lady Diana Spencer, de 18 anos. O príncipe já havia namorado brevemente a irmã mais velha dela, Lady Sarah Spencer.

Em 29 de julho do ano seguinte, com cerca de 750 milhões de pessoas assistindo ao redor do mundo — e com Camilla supostamente presente — eles se casaram na igreja de St. Paul.

Publicidade

Os então príncipe e princesa de Gales tiveram dois filhos, o príncipe William, nascido em 1982, e o príncipe Harry, nascido em 1984, mas o relacionamento entre eles logo se tornou difícil. De acordo com a biografia autorizada de Charles, em 1986, ele começou um caso com Camilla Parker.

Três anos depois, Diana confrontou a amante do marido em uma festa e disse saber do envolvimento amoroso entre eles. A história, porém, só se tornou pública em junho de 1992, quando o livro de Andrew Morton, Diana: Her True Story, foi lançado, chocando o mundo. 

Nesse período, surgiram dúvidas sobre se o príncipe Charles poderia ser rei caso se divorciasse e casasse novamente — sob as restrições da época, ele não teria permissão para um segundo matrimônio na Igreja britânica. Entretanto, em dezembro de 1992, o primeiro-ministro John Major anunciou que Charles e Diana se separaram oficialmente.

No ano seguinte, a transcrição de uma conversa telefônica sugestiva e secreta, que havia ocorrido em 1989 entre Charles e Camilla, foi publicada. Na ligação, o atual monarca britânico dizia querer ser o absorvente íntimo interno da amante, destruindo a reputação de ambos. 

Na esperança de reparar a própria imagem, o príncipe permitiu que um documentarista o seguisse por um ano e meio. No entanto, quando o documentário foi ao ar, a parte em que Charles conta sobre o relacionamento com Camilla teve o efeito oposto.

Em janeiro de 1995, Camilla e Andrew Parker Bowles também anunciaram o divórcio. Em novembro daquele mesmo ano, Diana participou de uma entrevista televisiva onde foi questionada se Camilla havia sido um dos fatores que causou o colapso do casamento dela com Charles.

"Bem, havia três de nós neste casamento, então estava um pouco cheio" afirmou a princesa de Gales na época. 

Um ano após o divórcio de Charles e Diana ter sido finalizado, Diana morreu tragicamente em um acidente de carro em Paris. Devido à esmagadora manifestação de pesar por ela, Charles interrompeu a campanha para assumir em público o relacionamento com Camilla.

Em 1998, Charles inicia o processo para legitimar o relacionamento e confirma em uma reportagem que Camilla conheceu o príncipe William, o que fez com que os jornais especulassem que ela também conheceria o príncipe Harry em breve. Apesar disso, a rainha não aprovava o relacionamento anteriormente adúltero e se recusou a participar de uma festa privada de 50 anos de Charles porque Camilla estaria lá.

Um ano depois, o casal é fotografado junto pela primeira vez, após uma festa dada por Charles à irmã de Camilla. Eles ainda passaram férias na Grécia com os príncipes William e Harry.

Em 2000, Charles e Camilla ainda enfrentavam o obstáculo de obter a aprovação oficial da rainha para o relacionamento — uma questão fundamental para permitir que Camilla aparecesse publicamente em eventos reais e se juntasse à família real. Por fim, a rainha aceitou um convite para a festa de 60 anos do rei da Grécia sabendo que Camilla estaria lá, o que foi interpretado como um sinal de que ela aceitava o relacionamento.

Três anos depois, o casal se mudou para a Clarence House e a família real avisa que o dinheiro britânico não seria usado para decorar os quartos de Camilla.

Leia também

Em fevereiro de 2005, Charles e Camilla anunciaram o noivado, 35 anos depois de se conhecerem. Em 8 de abril, eles se casaram em uma cerimônia civil com o príncipe William como padrinho. A rainha não foi ao casamento, mas esteve na recepção que ocorreu depois.

Para que Diana permaneça como a única princesa de Gales, Camilla ganha o título de Sua Alteza Real, a Duquesa da Cornualha.

Neste ano, como parte de uma mensagem divulgada para o Jubileu de Platina, a rainha Elizabeth 2ª chocou os fãs com a afirmação de que era um "desejo sincero" que Camilla fosse conhecida como rainha consorte quando Charles assumisse o trono. O casal apareceu mais tarde ao lado da rainha na varanda do Palácio de Buckingham durante o evento final da celebração.

O título de rainha consorte, então, se tornou oficial após a morte da monarca e a ascensão do rei Charles 3º ao trono em setembro de 2022.

Um comunicado da família real disse: "A rainha morreu pacificamente em Balmoral esta tarde. O rei e a rainha consorte permanecerão em Balmoral esta noite e retornarão a Londres amanhã."

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.