Internacional Ataque russo mata ao menos 20 pessoas no sul da Ucrânia, após tropas deixarem ilha estratégica

Ataque russo mata ao menos 20 pessoas no sul da Ucrânia, após tropas deixarem ilha estratégica

Mísseis atingiram um prédio de apartamentos e um resort e deixaram 38 feridos 

Reuters - Internacional

Resumindo a Notícia

  • Moradores da região ajudam equipes de resgate a vasculhar os escombros
  • Governo russo negou promover ataques contra civis
  • Nesta quinta-feira (30), Zelenski comemorou saída das tropas russas da Ilha das Serpentes
  • Ataque ocorre após outro míssil russo ter atingido um shopping na Ucrânia, matando 19 pessoas
Mísseis russos atingem região perto da cidade ucraniana de Odessa

Mísseis russos atingem região perto da cidade ucraniana de Odessa

Iryna Nazarchuk/Reuters - 01.07.2022

A Rússia atacou com mísseis uma região perto da cidade portuária ucraniana de Odessa, no mar Negro, nesta sexta-feira (1º), atingindo um prédio de apartamentos e um resort. A ação matou pelo menos 20 pessoas e deixou 38 feridos, disseram autoridades ucranianas, horas depois que tropas russas foram expulsas da Ilha das Serpentes, que fica nas proximidades.

Uma parte de um prédio de nove andares foi completamente destruída por um míssil. Paredes e janelas de um prédio vizinho de 14 andares também foram danificadas pela onda de explosões. Moradores estavam ajudando equipes de resgate a vasculhar os escombros.

"Viemos aqui para o local, avaliamos a situação junto com os socorristas e moradores, e ajudamos os que sobreviveram. Também ajudamos a carregar os que morreram", disse Oleksandr Abramov, morador da região.

O Kremlin negou atacar civis: "Gostaria de lembrá-los das palavras do presidente de que as Forças Armadas russas não trabalham com alvos civis", disse o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, a repórteres.

Milhares de civis foram mortos desde que a Rússia invadiu a Ucrânia, em 24 de fevereiro – invasão que a Ucrânia denomina de guerra de agressão não provocada e a Rússia, de "operação especial" para erradicar o que chama de "nacionalistas perigosos".

Um dia antes, a Rússia retirou suas tropas da Ilha das Serpentes, região estrategicamente importante que conquistou no primeiro dia da guerra e usou para controlar o noroeste do mar Negro, onde bloqueou Odessa e outros portos.

Em seu discurso noturno em vídeo, o presidente da Ucrânia, Volodmir Zelenski, saudou o que descreveu como uma vitória estratégica.

"Ainda não garante a segurança. Ainda não garante que o inimigo não voltará", disse ele. "Mas isso limita significativamente as ações dos ocupantes. Passo a passo, vamos empurrá-los do nosso mar, da nossa terra e do nosso céu."

No leste da Ucrânia, onde a Rússia está realizando sua principal ofensiva terrestre, as forças ucranianas estavam resistindo na cidade de Lysychansk, sob feroz ataque de artilharia.

Em Kiev, parlamentares ucranianos aplaudiram de pé quando a bandeira da União Europeia foi carregada pela câmara para ficar ao lado da própria bandeira da Ucrânia, um símbolo do status formal da candidatura do país ao bloco, concedida na semana passada.

O ataque a Odessa, com mísseis de longo alcance, ocorre depois de dias que a Rússia intensificou esses ataques na Ucrânia, longe das linhas de frente, incluindo um ataque na última segunda-feira (27) que matou pelo menos 19 pessoas em um shopping.

Moscou diz que está atacando alvos militares. Kiev chama os ataques de crimes de guerra. Um general ucraniano afirmou nesta quinta-feira (30) que a Rússia pode estar tentando atingir alvos militares, mas está matando civis ao disparar mísseis imprecisos em áreas populosas.

Últimas