Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

‘Bloco de Macron foi praticamente apagado’, diz Marine Le Pen

Comentário foi feito em discurso de comemoração da vitória no 1º turno das eleições legislativas francesas realizadas neste domingo

Internacional|Do Estadão Conteúdo


Marine Le Pen Instagram/@marine_lepen

A líder do partido de direita radical francês RN (Reagrupamento Nacional), Marine Le Pen, disse que o bloco centrista liderado pelo atual presidente da França, Emmanuel Macron, foi “praticamente apagado”. O comentário foi feito em discurso de comemoração da vitória no primeiro turno das eleições legislativas francesas realizadas neste domingo, 30.

“Meus caros compatriotas, a democracia falou, e os franceses colocaram o Reagrupamento Nacional e seus aliados à frente, praticamente apagando o bloco macronista”, afirmou Le Pen em discurso divulgado na rede social X (antigo Twitter). Ela festejou a partir das pesquisas de “boca de urna” que estimam o resultado do primeiro turno.

As agências de sondagem francesas projetam que o RN obteve 34% dos votos nacionais, seguido pelos votos da coalizão de esquerda Nova Frente Ampla, que conquistou em torno de 28% dos votos. O agrupamento de partidos centristas apoiados por Macron amargaram em um distante terceiro lugar na votação, com cerca de 21%.

“Os franceses, em um voto sem ambiguidades, demonstraram sua vontade de virar a página após sete anos de um poder desdenhoso e corrosivo”, acrescentou Le Pen, reconhecendo a importância da vitória, mas convidando os eleitores para renovar a escolha no segundo turno, que acontece em 7 de julho.

Publicidade

A líder do Reagrupamento Nacional defendeu que a população vote em peso nos candidatos de direita radical para levar o seu aliado, Jordan Bardella, ao cargo de primeiro-ministro. “Sem uma maioria clara, sempre haverá manobras baixas para impedir a verdadeira alternância que o país urgentemente precisa”, disse.

Esse cenário forçaria Bardella e Macron a um arranjo estranho de compartilhamento de poder. Macron disse que não renunciará antes do fim de seu mandato, em 2027. Neste domingo, em uma declaração após a divulgação das projeções, o presidente francês disse ser hora de uma “aliança grande, claramente democrática e republicana para o segundo turno”.

Publicidade

Algumas projeções de agências de pesquisa indicaram que, no melhor cenário para a direita radical, o Reagrupamento Nacional e seus aliados poderiam coletivamente ultrapassar a barreira de 289 assentos necessários para uma maioria segura na Assembleia Nacional de 577 assentos.

Para impedir esse resultado, os rivais começaram a trabalhar em acordos já neste domingo para priorizar alguns candidatos no segundo turno em um esforço para concentrar votos contra a Reagrupamento Nacional.

Macron e o primeiro-ministro, Gabriel Attal, instaram os eleitores a se unirem no segundo turno. “Nem um único voto deveria ir para o Reagrupamento Nacional. A França não merece isso”, declarou Attal.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.