Internacional Capital do Peru tem 1ª tempestade de raios em mais de 60 anos

Capital do Peru tem 1ª tempestade de raios em mais de 60 anos

Moradores de Lima, a capital mais seca do mundo, acordaram ao som de trovões nesta 2ª, algo que não acontecia desde 1960

  • Internacional | Da EFE

Raios cortaram o céu da capital do Peru, Lima, na manhã desta segunda

Raios cortaram o céu da capital do Peru, Lima, na manhã desta segunda

Reprodução / Twitter

Os residentes de Lima, capital do Peru, acordaram nesta segunda-feira (24) com trovões e relâmpagos, em um fenômeno meteorológico incomum que não ocorria desde 1960 na cidade, localizada na costa desértica do Peru.

Leia também: Peru descarta existência de mercado ilegal de vacinas

Desde a madrugada, os moradores dos distritos do nordeste de Lima começaram a compartilhar nas redes sociais imagens dos raios com os quais acordaram após uma noite de neblina, característica do inverno local.

O alvoroço foi seguido por uma forte chuva que alcançou quase toda a cidade durante cerca de duas horas, dando lugar a um dia ensolarado.

Desde 1960

O Serviço Nacional de Meteorologia e Hidrologia do Peru (Senamhi) relatou que os relâmpagos e trovões incomuns em Lima ocorreram devido à chegada de Tania, uma depressão de altos níveis deslocada do escoamento padrão.

"Esta tempestade incomum se desloca para o sul. Um fenômeno similar ocorreu em 25 de abril de 1960. Não está relacionado ao El Niño", acrescentou a fonte oficial.

O Senamhi informou que manterá a vigilância da possível repetição do fenômeno de raios e trovões em Lima e no litoral central e sul durante as próximas 36 horas.

O diretor de previsões do Senamhi, Nelson Quispe, disse ao programa "America Noticias" que o clima de Lima "não é destas características, contudo, estas situações ocorrem geralmente com um período de retorno muito superior a 50 anos".

Quispe aconselhou a população a não subir em telhados quando ocorrem relâmpagos e trovões, nem ficar perto de objetos metálicos para evitar um choque elétrico possivelmente mortal.

Os únicos trabalhadores que suspenderam as atividades por alguns minutos foram os pescadores que zarparam da costa de Lima na madrugada.

Últimas