Dados de 16 mil funcionários do exército dos EUA vazam na Coreia do Sul

Seul, 5 jun (EFE).- Um ataque cibernético levou ao vazamento dos dados pessoais de cerca de 16 mil trabalhadores das Forças Armadas Americanas Destacadas na Coreia do Sul (UFSK), segundo informaram nesta quinta-feira fontes militares dos Estados Unidos. O incidente aconteceu na semana passada, quando "um ataque de origem não identificada" encontrou uma brecha na segurança dos servidores onde fica o site de recursos humanos da USFK, explicou um porta-voz das forças americanas a agência local "Yonhap". As informações vazadas eram de funcionários, ex-funcionários e candidatos a postos tanto militares como civis da comitiva americana, segundo a mesma fonte, que acrescentou que o ataque não pôs em risco dados bancários nem informação militar confidencial. O general Curtis Scaparrotti, responsável pelas forças americanas no país asiático, enviou uma carta a todos os empregados da UFSK na qual pede desculpas pelo ocorrido e afirma que tomará medidas para reforçar a proteção de dados pessoais. A Unidade de Crimes Cibernéticos do Exército dos EUA está investigando o incidente, segundo as fontes citadas. Os Estados Unidos têm hoje cerca de 28.500 militares destacados na península coreana. EFE aaf-ahg/tr