Internacional Imigração brasileira para o Japão volta a crescer após dez anos

Imigração brasileira para o Japão volta a crescer após dez anos

Nova onda de imigração de dekasseguis para o Japão é motivada principalmente pela crise econômica no Brasil, assim como as anteriores

imigração brasil japão

O Japão voltou a receber mais brasileiros nos últimos três anos

O Japão voltou a receber mais brasileiros nos últimos três anos

Getty Images / Chris McGrath / arquivo

Há 110 anos, em 18 de junho de 1908, o navio Kasato Maru atracou no Porto de Santos (SP), trazendo 781 lavradores do Japão para trabalhar nas fazendas de café em São Paulo. Foi o início da imigração de japoneses para o Brasil. Pouco mais de 90 anos depois, os descendentes deles começaram a voltar.

Entre 1989 e 2018, é possível identificar três grandes ondas de imigração de brasileiros dekasseguis (descendentes de japoneses que viajam para trabalhar) para o Japão: na virada dos anos 1990, depois no fim da década e agora, nos últimos anos, com a crise financeira que resultou em 27 milhões de desempregados no Brasil.

Para Natália Fingerman, professora de Relações Internacionais da Unisantos, a questão econômica explica uma boa parte da motivação para brasileiros que buscam mudar de vida em outras partes do mundo, mas a melhoria na qualidade de vida é muito importante.

"A economia é um fator, mas a qualidade de vida que as pessoas encontram também afeta na decisão de sair. Em países como o Japão, com um emprego menos qualificado você consegue viver bem, não precisa de tantos recursos para ter segurança, educação", afirma.

Dekassegui veterano

Hachiro voltou várias vezes ao Japão

Hachiro voltou várias vezes ao Japão

Acervo pessoal

A trajetória de Hachiro Akamine, 56, é uma representação perfeita do fluxo de imigração entre os dois países. Ele foi para o Japão pela primeira vez em 1990. Atraídos pelo crescimento japonês e empurrados pela grave crise econômica do Brasil no início da década, os dekasseguis começaram a ir para o outro lado do mundo.

Em 1989, havia 14 mil brasileiros vivendo no Japão. No ano seguinte, eram 56 mil. Em 1992, 119 mil.

Durante os 18 anos seguintes, Hachiro foi e voltou, trabalhava dois anos em uma fábrica de eletrônicos em Yokohama, juntava dinheiro e voltava para o Brasil. Quando as coisas apertavam aqui, voltava e o ciclo reiniciava.

“Nasci em São Paulo, poucos meses depois que meus pais chegaram do Japão. Costumo brincar que fui gerado no navio, no meio do caminho. Fui e voltei várias vezes. A primeira foi porque trabalhava muito no Brasil e não conseguia ter dinheiro nunca. Como o Japão estava crescendo, vim para cá tentar a vida”, conta Hachiro, que está em Yokohama há alguns meses.

Em 2008, ele voltou para o Brasil achando que seria a última vez que se mudaria entre os dois países. Comprou uma franquia dos Correios em Minas e tentou ampliar os negócios, mas a crise no país desde 2015 colocou um fim nesses planos. Como estava difícil arrumar um bom emprego para se sustentar e pagar alguns prejuízos, foi para o Japão de novo. Viver no país de seus pais, no entanto, nem sempre foi fácil.

"Não dominar a língua e depender dos outros é muito complicado, sempre fico querendo voltar, mas o Brasil está muito difícil"
Hachiro Akamine, dekassegui

"Minha principal dificuldade quando cheguei é porque não falava a língua, passava umas situações chatas, as pessoas me tratavam meio mal. Como não tenho nome brasileiro, as pessoas estranham muito. Não dominar a língua e depender dos outros é muito complicado, sempre fico querendo voltar, mas o Brasil está muito difícil", relata.

Ondas de imigração

Desde a primeira onda, quando Hachiro foi ao Japão, o número de brasileiros vivendo no país jamais voltou a ficar abaixo de 100 mil, mas variou de acordo com os cenários de ambos os países e do mundo.

A cifra foi crescendo ao longo das décadas de 1990 e 2000 até atingir o pico em 2007, quando havia 313 mil. No ano seguinte, começou a crise mundial, que custou o emprego de muitos deles e a colônia brasileira foi caindo ano a ano até chegar a 173 mil, em 2015.

Desde então, a crise econômica no Brasil, aliada à sensação de insegurança generalizada no país, vem empurrando o número novamente para cima. Nos últimos três anos, a colônia cresce em ritmo lento, mas constante.

Segundo o Consulado Geral do Brasil em Tóquio, que usa as estatísticas do ministério da Justiça japonês, hoje são 191.362 cidadãos brasileiros vivendo no país.

Arte R7 / Fonte: Consulado-Geral do Brasil em Tóquio

Fugindo da violência

Rodrigo foi ao Japão aos 16 anos

Rodrigo foi ao Japão aos 16 anos

Acervo pessoal

Rodrigo Hiroshi Tokumaru, 28, também deve chegar ao Japão em até dois meses. Ele foi para o Japão ainda adolescente, em 2006, seguindo o exemplo do pai, que foi dekassegui nas primeiras levas de brasileiros, mas teve de voltar dois anos depois, por problemas de saúde.

Diferente de Hachiro, no entanto, o objetivo dele é encontrar um local mais seguro para morar.

“São Paulo é uma cidade muito perigosa, não aguento mais. Já sofri assaltos, fui agredido”, relata Rodrigo. Há três meses, ele tentou reagir a um assalto quando voltava para casa e levou um chute do criminoso, caiu e bateu a cabeça. Passou duas semanas internado por traumatismo craniano e, depois disso, decidiu voltar ao Japão.

"Aqui ganho praticamente o mesmo que lá (no Japão), mas a vida vai ser muito mais tranquila"
Rodrigo Tokumaru, dekassegui

Ele acredita que vai conseguir uma vaga na mesma fábrica de lentes para celulares onde trabalhou há mais de dez anos. “Conheço o chefe lá, ele me conhece, não deve ter problema. Aqui ganho praticamente o mesmo que lá, mas a vida vai ser muito mais tranquila. Estou estudando para aperfeiçoar o japonês, da primeira vez não sabia quase nada”, relembra.

Novos imigrantes

Israel e Priscila vão para o Japão em outubro

Israel e Priscila vão para o Japão em outubro

Reprodução Instagram

O número de brasileiros deve aumentar novamente até o fim do ano. Desiludidos com a situação do país, jovens estão esperando o pedido de visto de trabalho para ir pela primeira vez para o outro lado do mundo. É o caso de Priscila Igarashi, 24, e o marido, Israel Anacleto, 22. Os dois pretendem se mudar para o Japão até outubro.

“Decidimos ir pelas condições de vida, porque queremos morar perto do trabalho e não trabalhar apenas para pagar contas, também pela segurança. Não vamos com o objetivo de juntar dinheiro, como meus pais e meus tios faziam”, explica Priscila.

“Decidimos pelas condições de vida, queremos morar perto do trabalho e não trabalhar só para pagar contas"
Priscila Igarashi, dekassegui

Ela nasceu no Japão, em um período em que os pais moravam no país, em 1994. Dois anos depois, a família voltou ao Brasil e ela ficou por aqui, até agora. Ela tem diploma em marketing e o marido trabalhava com suporte de informática. Quando estiverem em terras japonesas, vão trabalhar em uma fábrica de eletrônicos, mas ainda não sabem a cidade.

Acompanhe o noticiário internacional no R7

“Vamos chegar no inverno, então já iremos ter que nos adaptar com o clima diferente. Sabemos que logo no início conseguimos pegar aparelho e plano de celular também, sem que isso pese nas contas. A praticidade de comprar comida barata também é um dos pontos positivos, pois aqui ficava muito difícil ter que passar horas no transporte e depois ainda ter que fazer comida”, conta.

Fuga de qualificados

O grande problema desse movimento, na opinião da professora Natália Fingermann, é que a saída de profissionais que no Brasil são considerados qualificados acaba prejudicando a própria recuperação do país.

"Acabamos perdendo muitas pessoas com qualificação profissional aqui, isso cria um déficit no mercado. Quando as empresas estrangeiras voltarem a investir aqui, os cargos mais altos acabarão ocupados por gente que eles vão precisar trazer, não por brasileiros e isso faz com que os recursos não fiquem por aqui", explica.