Jacinda Ardern obtém vitória esmagadora na Nova Zelândia

O Partido Trabalhista teve 49,0% dos votos, muito à frente do opositor, o Nacional, com 27%, informou a Comissão Eleitoral neste sábado

Esta é a primeira vez em 70 anos que o país terá um partido único

Esta é a primeira vez em 70 anos que o país terá um partido único

Fiona Goodall/Pool via REUTERS - 22.9.2020

O Partido Trabalhista de centro-esquerda da primeira-ministra Jacinda Ardern obteve uma vitória esmagadora nas eleições gerais da Nova Zelândia no sábado (17), quando os eleitores a recompensaram por uma resposta decisiva na luta contra a covid-19.

O mandato significa que Ardern, de 40 anos, pode formar o primeiro governo de partido único em décadas e enfrentar o desafio de cumprir a transformação progressiva que ela prometeu, mas falhou em seu primeiro mandato, onde o Trabalhismo compartilhou o poder com um partido nacionalista.

“Esta é uma mudança histórica”, disse o comentarista político Bryce Edwards, da Victoria University em Wellington, descrevendo a votação como uma das maiores oscilações na história eleitoral da Nova Zelândia em 80 anos.

O Partido Trabalhista estava a caminho de ganhar 64 das 120 cadeiras no parlamento unicameral do país, a mais alta de qualquer partido desde que a Nova Zelândia adotou um sistema de votação proporcional em 1996.

Se o Trabalhismo ganhar mais da metade das cadeiras, Ardern poderia formar o primeiro governo de partido único sob o sistema atual.

"Resultado notável"

Ardern saiu de sua casa em Auckland, acenou e abraçou os apoiadores reunidos. A líder do Partido Nacional da oposição, Judith Collins, disse que ligou para o primeiro-ministro para parabenizá-la por um "resultado notável".

O Partido Trabalhista teve 49,0% dos votos, muito à frente do Nacional com 27%, disse a Comissão Eleitoral, com 77% dos votos contados em uma eleição que foi em grande parte um referendo sobre o tratamento agressivo de Ardern do covid-19.

“As pessoas ficaram muito gratas e muito felizes com a forma como lidamos com a covid, elas gostam da forma do plano que temos daqui para frente para a economia”, disse o ministro das Finanças, Grant Robertson, um importante parlamentar trabalhista.

Geoffrey Miller, analista do site político Democracy Project, disse que a vitória foi “um triunfo pessoal para a popularidade e marca da 'superestrela' de Jacinda Ardern”.

Dos atuais parceiros da coalizão de Ardern, o nacionalista Primeiro Partido da Nova Zelândia tinha 2,6% e o Partido Verde 7,6%. Se ela não for capaz de formar um governo exclusivamente trabalhista, espera-se que continue a contar com os verdes menores enquanto se livra do New Zealand First.

Uma coalizão Trabalhista-Verde seria o primeiro governo totalmente de esquerda desde os anos 1970, um cenário que Collins alertou que significaria mais impostos e um ambiente hostil aos negócios.

Ardern se comprometeu a aumentar os impostos sobre os que ganham mais, enquanto Collins prometeu cortes de impostos de curto prazo, mas eles mostraram poucas diferenças importantes na política.

“Seja forte, seja gentil”

A primeira-ministra ganhou aclamação global por lidar com um tiroteio em massa no ano passado por um supremacista branco em Christchurch, com seu mantra inclusivo “seja forte, seja gentil” e ação rápida para banir armas.

Ela poliu essa reputação este ano com uma abordagem do tipo “vá duro, vá cedo” para o novo coronavírus, que eliminou o covid-19 disseminado localmente no país.

A eleição foi adiada por um mês após novas infecções de covid-19 em Auckland, que levaram a um segundo bloqueio na maior cidade do país.

Embora conhecida internacionalmente por promover causas progressistas, como os direitos da mulher e a justiça social, em casa Ardern enfrentou críticas de que seu governo falhou em uma promessa de ser transformacional.

A vida voltou ao normal na Nova Zelândia, mas suas fronteiras ainda estão fechadas, o setor de turismo está sangrando e os economistas preveem uma recessão duradoura após os severos bloqueios.

A economia encolheu a uma taxa anual de 12,2% no segundo trimestre, sua queda mais acentuada desde a Grande Depressão. A dívida deve aumentar para 56% do produto interno bruto, de menos de 20% antes da pandemia.

Os neozelandeses também votaram no sábado em referendos para legalizar a eutanásia e a maconha recreativa, com resultados a serem anunciados em 30 de outubro. A última votação poderia tornar a Nova Zelândia apenas o terceiro país do mundo a permitir o uso adulto e a venda de cannabis em todo o país, depois do Uruguai e Canadá.