Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

Local mais marcante de monarquia britânica não é um castelo

Apesar de majestosos, palácios são deixados em segundo plano por Abadia de Westminster, cenário de eventos históricos

Internacional|Do R7


Abadia de Westminster foi palco de momentos-chave na história da monarquia britânica durante quase 1.000 anos
Abadia de Westminster foi palco de momentos-chave na história da monarquia britânica durante quase 1.000 anos

A Abadia de Westminster, onde o rei Charles 3º será coroado oficialmente em 6 de maio, foi palco de momentos-chave na história da monarquia britânica durante quase 1.000 anos.

Neste lugar, situado agora no centro de Londres, em frente à sede do Parlamento e perto do Palácio de Buckingham, o rei Eduardo, o Confessor, construiu na década de 1040 uma igreja de pedra sobre a localização de um antigo mosteiro beneditino fundado por volta de 960.

A construção da imponente abadia gótica que hoje conhecemos começou durante o reinado de Enrique III em 1245. Foi cenário de coroações, casamentos e funerais de diversos reis, assim como de celebrações pelo longo reinado de Elizabeth 2ª, cujo falecimento, em setembro de 2022, inaugurou um novo capítulo da realeza, agora liderada por seu filho Charles 3º.

Coroações

Guilherme, o Conquistador, foi o primeiro a ser coroado na abadia em 1066. Até os dias de hoje, a abadia acolheu 39 coroações. Em 1953, a princesa Elizabeth foi coroada Elizabeth 2ª na "Cadeira da Coroação", um trono fabricado em 1300-1301.

Publicidade

A cadeira continha a "Pedra do Destino", que foi utilizada durante séculos para coroar os reis da Escócia. Este bloco de arenito foi roubado por um breve período por estudantes escoceses em uma aventura audaciosa em 1950, e acidentalmente acabou partido em dois.

Em 1996, no auge do sentimento independentista, a pedra foi devolvida simbolicamente à Escócia. Mas foi firmado um acordo para que fosse levada do castelo de Edimburgo para Westminster para as coroações.

Publicidade

Casamentos

O edifício também foi cenário de casamentos reais, a maioria desde a Primeira Guerra Mundial. O primeiro foi o do rei Enrique I com a princesa Matilde da Escócia em 11 de novembro de 1100. Os avós de Charles 3º, o príncipe Albert (mais tarde rei George VI) e Elizabeth Bowes-Lyon se casaram ali em 1923.

E antes de se tornar rainha, sua mãe, a então princesa Elizabeth, se casou com Philip Mountbatten em Westminster em 1947, em pleno pós-Segunda Guerra Mundial. A tia do rei, a princesa Margaret, e seus irmãos Anne e Andrew, também se casaram ali.

Publicidade

O último casamento real celebrado em Westminster foi o de seu filho mais velho e agora herdeiro do trono, o príncipe William, que se casou com Catherine (Kate Middleton) em 2011. Quatorze anos antes, em 1997, William presenciou ali o funeral de sua mãe, a princesa Diana, que morreu em um acidente de carro em Paris.

Funerais

Estima-se que 18 monarcas britânicos estão enterrados na abadia. O rei Jorge 2º foi o último, em 1760. Cerca de 3.330 pessoas estão enterradas ali, incluindo alguns grandes nomes da história britânica, como Charles Dickens, Rudyard Kipling, Henry Purcell e oito primeiros-ministros.

O funeral da rainha Elizabeth 2ª foi realizado na abadia em 19 de setembro diante de 2.000 convidados. As cinzas do astrofísico Stephen Hawking também foram depositadas na abadia, entre os túmulos de Isaac Newton e Charles Darwin.

Leia também

Além disso, o lugar abriga a sepultura do soldado desconhecido, cujo corpo foi repatriado da Europa continental após a Primeira Guerra Mundial.

Separação entre nave e coro

A abadia, cujo nome completo é Collegiate Church of St Peter, Westminster, tem o status de "peculiaridade real", o que significa que está isenta de qualquer jurisdição eclesiástica que não seja a do monarca, líder da Igreja Anglicana.

Pode acomodar aproximadamente 2.200 pessoas, mas a maioria não poderá ver a coroação de Charles III devido ao biombo que separa a nave do coro. Os membros da família real vão se sentar o mais perto possível do trono.

Em 1953, cerca de 8.250 pessoas assistiram à coroação de Elizabeth 2ª, graças às plataformas instaladas para a ocasião. Um vitral inaugurado em 2018 celebra o reinado da monarca mais longeva da história britânica. Criado pelo pintor David Hockney, representa o interior do norte da Inglaterra na primavera.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.