Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

Partido de direita do premiê da Grécia vence eleições no país

O Nova Democracia deve encontrar dificuldade para formar um governo estável, diante da falta de uma maioria absoluta

Internacional|Do R7

Kyriakos Mitsotakis em discurso após vitória
Kyriakos Mitsotakis em discurso após vitória Kyriakos Mitsotakis em discurso após vitória

O partido de direita do primeiro-ministro em fim de mandato, Kyriakos Mitsotakis, venceu as eleições na Grécia neste domingo (21), segundo os resultados parciais, mas pode ter dificuldade para formar um governo estável, diante da falta de uma maioria absoluta.

O partido ND (Nova Democracia), que está no poder há quatro anos, soma 41,1% dos votos, superando por ampla margem o Syriza (esquerda), do ex-chefe de governo Alexis Tsipras, que soma 20% dos votos, de acordo com os resultados de um terço das zonas eleitorais.

Atrás dessas duas forças estão os socialistas do partido Pasok-Kinal, com 12,6% dos votos.

Contudo, se esses resultados se confirmarem, o ND não poderá governar de forma absoluta — o que é o objetivo manifestado por Mitsotakis, já que ele não conseguiria a maioria necessária para tal.

Publicidade

Por sua vez, Alexis Tsipras, de 48 anos, recorreu ao dirigente socialista Nikos Androulakis com vistas a uma possível aliança em caso de resultados favoráveis, mas este impôs uma série de exigências.

Compartilhe esta notícia no WhatsApp

Publicidade

Compartilhe esta notícia no Telegram

Em caso de impossibilidade de formar um governo, tal como projetam muitos analistas, serão convocadas novas eleições no fim de junho ou no início de julho. O vencedor desse eventual segundo pleito gozaria de um bônus de cadeiras, que poderiam lhe dar uma maioria confortável.

Publicidade

Durante a campanha eleitoral, Mitsotakis não deixou de defender seu desempenho econômico, referindo-se à queda do desemprego, a um crescimento de quase 6% no ano passado e à disparada do turismo.

Neste domingo, pouco depois de votar em Atenas, Mitsotakis disse que quer fazer da Grécia "um país mais forte, com um papel importante na Europa".

Tsipras, por sua vez, pediu que o país "virasse a página de quatro anos difíceis" para possibilitar "um governo justo".

A perda de poder aquisitivo por causa da inflação e dos baixos salários continua a ser uma dor de cabeça para muitas famílias, após uma década de crises e resgates financeiros internacionais que foram traduzidos em cortes nos serviços públicos e em uma redução significativa da renda dos gregos.

Leia também

A dívida pública do país continua a ser de mais 170% do PIB. Já a inflação beirou os 10% no ano passado, o que agravou ainda mais as dificuldades da população.

Além disso, no fim de fevereiro, uma catástrofe ferroviária que provocou a morte de 57 pessoas, entre elas muitos estudantes, suscitou manifestações multitudinárias contra o governo conservador, acusado de negligência em matéria de segurança.

Mitsotakis, filho de um ex-primeiro-ministro e tio do atual prefeito de Atenas, também foi atingido em cheio por um escândalo de grampos ilegais que envolvem dirigentes políticos e jornalistas.

Em março, o Parlamento Europeu denunciou a existência de "ameaças sérias ao Estado de Direito e aos direitos fundamentais" na Grécia.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.