Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

Suspeito de assassinar candidato presidencial no Equador é morto; seis pessoas são presas

Nove pessoas ficaram feridas durante o atentado contra Fernando Villavicencio após comício em Quito

Internacional|Do R7


Forças de segurança do Equador estão em alerta após a morte de Fernando Villavicencio Valencia
Forças de segurança do Equador estão em alerta após a morte de Fernando Villavicencio Valencia

Um homem suspeito de assassinar Fernando Villavicencio Valencia, candidato à Presidência do Equador, foi morto após troca de tiros com agentes de segurança. A Procuradoria-Geral informou que seis pessoas foram presas por suspeita de participação no crime.

O Ministério Público do país informou em redes sociais que o suspeito, "ferido durante uma troca de tiros com agentes de segurança, foi detido e levado em estado grave para a Unidade de Flagrantes em Quito". "Uma ambulância do Corpo de Bombeiros confirmou a morte. A polícia procedeu à remoção do corpo", acrescentou.

Compartilhe esta notícia no WhatsApp

• Compartilhe esta notícia no Telegram

Publicidade

Villavicencio recebeu três tiros na cabeça quando deixava um comício do partido de esquerda Movimento Construye na capital, Quito. Segundo familiares do político, ele ficou estendido no chão após ter sido baleado e foi imediatamente transferido para a Clínica de la Mujer, onde médicos confirmaram sua morte. O ataque ocorreu por volta das 18h20 (horário local; 20h20 em Brasília).

Em suas redes sociais, o atual presidente do Equador, Guillermo Lasso, confirmou que vai reunir seu gabinete de segurança para dar uma resposta rápida à população. "O crime organizado já percorreu um longo caminho, mas todo o peso da lei vai cair sobre ele", escreveu.

Publicidade

Leia também

O Movimento Construye, que tinha Villavicencio como candidato à Presidência, denunciou nas redes sociais que homens armados haviam atacado seus escritórios de campanha em Quito poucas horas depois do atentado contra o político. Como resultado dessa agressão, nove pessoas que estavam no comício ficaram feridas e foram levadas a um hospital, incluindo um candidato a deputado e dois policiais.

Villavicencio era um dos oito candidatos presidenciais registrados para essas eleições gerais extraordinárias. Chocados com o crime, vários deles já anunciaram que suspenderam sua campanha e pediram um pacto contra a insegurança. De acordo com o governo, o aumento da crise de insegurança está associado principalmente ao crime organizado e ao tráfico de drogas, que ganhou força no litoral e transformou os portos equatorianos em importantes polos de envio de cocaína para a Europa e a América do Norte.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.