Séries Nova série do Jornal da Record mostra como a seca atinge o Rio Paraná

Nova série do Jornal da Record mostra como a seca atinge o Rio Paraná

A estiagem na região já provoca impactos financeiros e desemprego. Acompanhe os detalhes do assunto a partir desta segunda (4), às 19h45

Série JR mostra como a seca já traz prejuízos para diversas regiões do Brasil

Série JR mostra como a seca já traz prejuízos para diversas regiões do Brasil

Divulgação/Record TV

Nesta segunda-feira (4), o Jornal da Record estreia sua nova série de reportagens Rio Seco.

As equipes percorreram cerca de 2 mil quilômetros do Rio Paraná para mostrar como a falta de chuva está mudando o cenário do segundo maior rio em extensão da América do Sul. O seu nível atualmente é o mais baixo desde 1944, sendo fonte de água doce para mais de 40 milhões de brasileiros.

A redução no volume já afeta a produção de peixes, a geração de energia, a navegação, trazendo prejuízos e desemprego para várias regiões entre os estados de São Paulo, Mato Grosso do Sul e Paraná.

Em vários pontos, os barcos estão parados nos bancos de areia e os pescadores já não conseguem tirar o sustento do rio. A estiagem compromete também a fiscalização de combate ao contrabando por água, na fronteira do Brasil com o Paraguai e a Argentina.

O nível de água está tão baixo que, em Rubinéia, no interior de São Paulo, as ruínas da antiga cidade, submersa para a construção da hidrelétrica de Ilha Solteira, reapareceram. 

A Hidrovia Tietê-Paraná, usada para o escoamento da safra do Centro-Oeste, precisou suspender as operações. Pelo menos 600 marinheiros e operadores de máquina estão sem trabalho. 

Já na Usina de Ilha Solteira, o reservatório praticamente zerou o volume útil. Ela continua operando, mas está no limite na geração de energia e pode suspender as atividades a qualquer momento.

A reportagem é de Romeu Picoli, a produção de Gabriela Coelho, as imagens de Thiago Oliveira e Edson Nunes.

O Jorna da Record vai ao ar de segunda a sábado, a partir das 19h45, na Record TV.

Últimas