Minas Gerais Empresários temem encarecimento de produtos com eventual fim da desoneração da folha

Empresários temem encarecimento de produtos com eventual fim da desoneração da folha

Congresso Nacional deve analisar o veto presidencial ao benefício, nesta quinta-feira (14)

  • Minas Gerais | Pablo Nascimento, do R7, com Vinícius Rangel, da Record Minas

Lista de categorias beneficiadas pelo projeto contém 17 setores

Lista de categorias beneficiadas pelo projeto contém 17 setores

Reprodução / Freepik

Empresários mineiros temem um aumento no valor de produtos e serviços com o eventual fim da desoneração da folha de pagamento. O veto presidencial à prorrogação do benefício deve ser discutido no Congresso Nacional, nesta quinta-feira (14).

“Caso o veto não seja derrubado, devemos ter aumento de alimentos, roupas e calçados para o consumidor final”, comentou Marcos Marçal, economista da Fiemg (Federação das Indústrias de Minas Gerais), sobre as áreas que podem ser impactadas.

Clique aqui e receba as notícias do R7 no seu WhatsApp
Compartilhe esta notícia pelo WhatsApp
Compartilhe esta notícia pelo Telegram
Assine a newsletter R7 em Ponto

A lista de categorias beneficiadas pelo projeto contém 17 setores. O empresariado teme reflexos em diferentes áreas.

“Sem a desoneração da folha de pagamento, o custo com a mão de obra aumenta 13%. Isso significa um aumento de custo na construção civil. Portanto, significa aumento no preço do imóvel. Com isso, algumas famílias terão mais dificuldades de comprar a casa própria, pois o valor do imóvel certamente vai aumentar”, defendeu Ieda Vasconcelos, economista do Sinduscon-MG (Sindicato da Indústria da Construção Civil no Estado de Minas Gerais).

A desoneração da folha de pagamento acaba no dia 31 de dezembro deste ano. O benefício prevê que as empresas dos 17 setores da economia que mais empregam no país paguem alíquotas de 1% a 4,5% sobre a receita bruta, em vez de 20% sobre a folha salarial.

O projeto em discussão atualmente quer prorrogar a redução até 2027. O texto foi aprovado pelo Senado e pela Câmara dos Deputados, mas foi vetado pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). O chefe do Executivo alegou que a manutenção da desoneração aumentaria o déficit das contas públicas, além de não gerar os empregos prometidos.

O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, prometeu apresentar uma proposta alternativa, o que até agora não aconteceu. Entidades que representam os setores afetados pela medida enviaram um ofício a deputados e senadores para pedir a derrubada do veto.

Últimas