Minas Gerais Família denuncia ameaça de torcedores após atrito com Réver

Família denuncia ameaça de torcedores após atrito com Réver

Vítimas teriam recebido mensagens com ameaças de morte de apoio ao time, de números desconhecidos

  • Minas Gerais | Airine Ferreira e Lucas Eugênio*, da Record TV Minas

reprodução / redes sociais

A família da criança que se envolveu em um atrito com jogador de futebol Réver, do Atlético Mineiro, na noite passada, registrou mais um boletim de ocorrência nesta sexta-feira(17), denunciando um série de ameaças virtuais feitas por supostos torcedores do clube.

A família acredita que tenha tido o número de telefone vazado na internet. Entre as mensagens recebidas, estão ameaças de morte e claro apoio ao clube.

Os pais e o advogado da familia, Felipe Saliba, afirmam que vão  processar o atleta e o clube. Saliba considera absurdo o apoio declarado pelo Atlético Mineiro ao zagueiro do time.

O advogado diz que processará o jogador e o clube pelas agressões. Por medidas de segurança, o advogado informou que a família não está mais em casa.


Entenda o caso

O zagueiro Réver, capitão do Atlético-MG, se envolveu em uma briga com um torcedor do Cruzeiro, na noite desta quinta-feira (16), no Aeroporto Internacional de Belo Horizonte, em Confins, na região metropolitana.

O jogador aguardava para embarcar com a família para Porto Alegre quando foi parado por algumas pessoas para tirar fotos. O torcedor do time rival, que estava acompanhado do filho, teria provocado o atleta fazendo com os dedos o placar de 6 a 1, em referência ao confronto antigo entre os times celeste e alvinegro.

Segundo Gustavo Faria, assessor do atleta, o jogador não gostou e reclamou da provocação. Logo em seguida, o homem partiu para cima do zagueiro, que tentou se defender. Em um vídeo divulgado pelas redes sociais, o jogador aparece sem camisa no saguão do aeroporto, escoltado pelos seguranças.

"Ele iria embarcar agora. Primeiro dia de férias. Uma pessoa pediu para tirar foto e ele, com toda a presteza, parou. A pessoa, que descobrimos depois que é cruzeirense, fez uma brincadeira de mau gosto. O Réver não gostou. Eles começaram uma discussão. A pessoa estava alterada e quis brigar", explicou o assessor sobre o caso.

Já o torcedor envolvido deu outra versão da confusão. Segundo ele, Réver, que estava bêbado, agrediu a família dele.

"Nós estamos indo para um hospital em Sete Lagoas. Meu filho está com um dedo machucado e minha esposa vai fazer um raio-x do braço", contou o homem por áudio.

A assessoria do jogador negou que ele estivesse alcoolizado. Réver foi levado ao Centro Integrado de Segurança Pública para dar esclarecimentos e não comentou o caso com a imprensa.

Depois de prestarem depoimento, o jogador e o torcedor foram liberados. Por orientação do departamento jurídico do Atlético-MG, Réver fará um exame de corpo de delito, pois durante a briga teve lesões leves nos braços e no pescoço.

Pelas redes sociais, o clube alvinegro disse que "está fechado com seu capitão" e considerou que as agressões e insultos não foram dirigidos ao jogador, mas a toda a "massa atleticana".

Já o Cruzeiro escreveu em seu perfil no Twitter: "Agressão contra uma criança, quando confirmada, seja quem for o autor, seja qual for o clube da criança agredida - e, obviamente, mesmo que nada tenha de relação com futebol -, será uma agressão e, portanto, desprezível e indefensável".

* Estagiários sob supervisão de Pablo Nascimento

Últimas