Minas Gerais Google deve pagar R$ 10 mil para mineira que teve perfil falso criado no Orkut

Google deve pagar R$ 10 mil para mineira que teve perfil falso criado no Orkut

Usuária pediu indenização de R$ 40 mil, mas Justiça diminuiu o valor em segunda instância

Google deve pagar R$ 10 mil para mineira que teve perfil falso criado no Orkut

Rede social foi desativada em setembro de 2014

Rede social foi desativada em setembro de 2014

Reprodução/Internet

O Google Brasil deverá pagar uma indenização de R$ 10.000 a uma usuária que teve um perfil falso criado no Orkut. O desembargador Tiago Pinto, relator da apelação julgada pela 15ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais, reformou em parte decisão de primeira instância e reduziu o valor da indenização de R$ 40 mil.

Segundo o processo, a usuária, de Belo Horizonte, teve um perfil criado por outra pessoa, que reproduziu na rede conteúdo de caráter vexatório. A mulher ajuizou uma ação após a negativa do Google em retirar a página pela solicitação realizada em meios oferecidos pela extinta rede social.

Leia mais notícias de Minas Gerais no Portal R7

Experimente grátis: todos os programas da Record na íntegra no R7 Play

Condenada a pagar R$ 40 mil à vítima, a Google Brasil recorreu da sentença pedindo a anulação da condenação ou a redução da quantia. A empresa alegou não ter responsabilidade sobre a conduta de terceiros e argumentou em sua defesa que "atua como mera provedora de hospedagem".

De acordo com o relator, não houve dúvida sobre as informações vexatórias e a ofensa à honra da demandante. Embora o desembargador entendesse que a responsabilidade pelo conteúdo não é do provedor, e sim de seus usuários, configurou-se a culpa da administradora da rede pelos danos morais pelo fato de a vítima ter informado à empresa sobre o ocorrido e, ainda assim, a página não ter sido apagada para apuração da denúncia. Sendo assim, foi negado o pedido da empresa.

Todavia, considerando o fato de a usuária não ter enviado uma cópia do seu registro de identidade conforme determinado pelo juiz, dificultando a imediata exclusão da página, e buscando evitar um enriquecimento exacerbado da vítima, o relator diminuiu a quantia arbitrada como reparação pelos danos morais.