Minas Gerais "Vi com naturalidade", diz Zema sobre atos a favor de Bolsonaro

"Vi com naturalidade", diz Zema sobre atos a favor de Bolsonaro

Governador de MG afirmou, também, que apelo do presidente teve adesão, mas que manifestações não vão resolver problema do país

  • Minas Gerais | Lucas Pavanelli, do R7, com Shirley Barroso, da RecordTV Minas

Zema diz que viu manifestação com "naturalidade"

Zema diz que viu manifestação com "naturalidade"

Gil Leonardi / Agência Minas

O governador de Minas Gerais, Romeu Zema (Novo), disse ter visto com "naturalidade" a manifestação em apoio ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido), em Belo Horizonte, e outras capitais do país, neste feriado de 7 de setembro. 

Zema foi perguntado sobre os atos em um evento nesta quarta-feira (8), em Belo Horizonte, e destacou que não houve incidentes. Duas manifestações, uma favorável e uma contrária a Bolsonaro ocorreram concomitantemente na capital mineira. Os apoiadores do presidente saíram em carreata do estádio do Mineirão, na região da Pampulha, até a praça da Liberdade. Já os oposicionistas fizeram uma passeata entre a praça Afonso Arinos e a praça da Estação, na região central.  

Confira: Veja fotos das manifestações de 7 de setembro em Belo Horizonte

— Sabemos que, em todo democracia, manifestação é ato normal que deve ser encarado com total naturalidade.

Zema também declarou que a "causa" do presidente recebeu "algum apoio". 

— O apelo do presidente teve adesão de parte da população, o que mostra que a causa dele tem algum apoio.

Bolsonaro discursou em dois eventos: na esplanada dos Ministérios, em Brasília, e na avenida Paulista, em São Paulo, onde atacou o ministro do STF (Supremo Tribunal Federal), Alexandre de Moraes e disse que não cumpriria nenhuma ordem judicial dele. 

Ainda sobre as manifestações de ontem, o governador de Minas Gerais disse não acreditar que a situação de Minas ou do Brasil possam ser resolvidas por meio de manifestações. 

— Não é através de manifestação que vamos melhorar a situação de Minas e até, acredito, do Brasil. Por um lado, parece que isso é não priorizar o que é prioritario, as reformas, que não são votadas. Não deixa de ser perder o foco. O Brasil precisa de reformas, como a tributária, a  adminsitrativa, a política-eleitoral, mas ninguém fala isso.

Últimas