Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Autos Carros
Publicidade

Renault Twingo elétrico terá cooperação dos chineses, diz site

Marca tem uma cooperação desde 2022 com a Geely na Coreia do Sul

Autos Carros|Marcos Camargo JrOpens in new window

Renault Twingo elétrico terá cooperação dos chineses, diz site

A revelação da nova geração do Renault Twingo ganha novos capítulos a cada semana. O site Autocar afirmou no início desta semana que o futuro Twingo terá ampla cooperação dos chineses. E há razões bem claras para isso.

O futuro carro acessível e elétrico da Renault teria recebido mais do que uma simples inspiração nos carros citadinos chineses. A Renault tem uma cooperação desde 2022 com a Geely na Coreia do Sul. A Geely adquiriu 34% da Renault nesta época e agora a Geely que tem várias marcas vem usando a expertise de carros pequenos e elétricos em seus projetos para a a China e outros mercados. Tanto que a Geely usa a plataforma CMA da Renault para modelos híbridos na região do sudeste da Ásia. A troca de tecnologia por modelos elétricos seria natural.

Renault Twingo elétrico terá cooperação dos chineses, diz site

Além disso a Renault tem cooperação com a Dongfeng há quatro anos. Na China é produzido com sucesso o Dacia Spring, o nosso Renault Twingo e-Tech elétrico. Agora a Dongfeng passará a usar o Nammi como carro de entrada da marca usando justamente a plataforma compacta da Geely. Ou seja, já existe uma cooperação ampla de projetos e plataformas.

Renault Twingo elétrico terá cooperação dos chineses, diz site

O que o site Autocar especula é que a tecnologia francesa já tem muito da engenharia chinesa em seus produtos. “O desenvolvimento de um carro será finalizado em conjunto com os parceiros chineses para reduzir tempo e custo de desenvolvimento”, disse uma fonte ao Autocar.

Publicidade
Renault Twingo elétrico terá cooperação dos chineses, diz site

Agora resta saber quanto o Twingo terá de plataforma ou motorização desenvolvida pelos parceiros Geely e Dongfeng o que será revelado só quando esse futuro compacto chegar às ruas ainda em 2026.


Os textos aqui publicados não refletem necessariamente a opinião do Grupo Record.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.