Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Autos Carros
Publicidade

Toyota pede desculpas por fraudes em testes de segurança nos carros

Governo japonês irá investigar fraudes na validação de produtos de três marcas

Autos Carros|Marcos Camargo JrOpens in new window

Toyota pede desculpas por fraudes em testes (Toyota/Divulgação)

O chairman da Toyota, Akio Toyoda, pediu desculpas pelas fraudes detectadas em alguns testes de segurança e emissões no Japão. A Toyota está no centro de uma investigação do governo japonês que envolve também Suzuki, Honda e Mazda. No caso da Toyota, há indícios mais abrangentes de fraudes nos testes.

No início desta semana, o governo japonês afirmou que iria punir montadoras que fraudaram testes de segurança e emissões.

TOYOTA FRAUDOU TESTES DE COLISÃO? entenda o assunto que tirou Yaris e outros 3 modelos de linha. Veja o vídeo!

Até agora se sabe que as subsidiárias Hino e Daihatsu fraudaram testes de modelos como Yaris Cross, Corolla Fielder, Crown, Isis, Sienta e RX em alguns parâmetros de segurança, alterando os resultados. Também foram alterados parâmetros de acionamento de airbags, bem como testes com motores.

Toyota pede desculpas por fraudes em testes (Toyota/Divulgação)

“Pedimos desculpas por toda a preocupação e inconveniência que isso poderia ter causado aos nossos clientes, stakeholders e o púbico que confia na Toyota. Levamos a sério os problemas descobertos na certificação de itens da Hino Motors, Daihatsu Motor e Toyota Industries Co”, diz o posicionamento global.

Publicidade
Toyota pede desculpas por fraudes em testes (Toyota/Divulgação)

Outras marcas afetadas

No caso da Honda foram alterados padrões de torque e nível de ruído em carros de versões já descontinuadas como Accord e Odissey, além do Fit. A segurança dos veículos, no entanto, não foi afetada, disse a Honda.

Toyota pede desculpas por fraudes em testes (Toyota/Divulgação)

A Mazda, concorrente da Toyota, também admitiu falhas nos testes de emissões do Mazda 2 e do Roadster. No entanto, a marca disse que os modelos afetados não são produzidos atualmente.


Os textos aqui publicados não refletem necessariamente a opinião do Grupo Record.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.