A matemática da água

Estamos atravessando uma grande crise hídrica e é preciso tomar um cuidado cada vez maior com o uso da água

É preciso economizar água

É preciso economizar água

Agência Brasil/EBC

Outro dia passava pela rua perto de onde moro e vi uma senhora toda serelepe lavando a calçada com uma mangueira. Coisas do século passado que ainda se veem aqui em São Paulo. Fiquei pensando por que é tão difícil fazer as pessoas entenderem a matemática da água. Parece meio óbvio, já que vivemos uma estiagem sem precedentes no país, mas vou tentar explicar porque a água na verdade é hoje uma "bola de neve" no bolso.

Essa é a maior crise hídrica dos últimos anos e isso acontece porque não chove onde deveria, o brasileiro não sabe economizar água e faltam políticas públicas para evitar a seca no Brasil. Com menos chuvas, os reservatórios ficam mais vazios e como continuamos usando a água da mesma maneira... É um caminho sem volta. O nível dos reservatórios diminui tanto a ponto de afetar a conta de luz. Não entendeu? Vamos lá!

A maior parte da energia produzida no Brasil vem das hidrelétricas, ou seja, das usinas que transformam a força da água em energia elétrica. Sem água suficiente, o governo precisa colocar em atividade as usinas termelétricas, que também produzem energia, só que mais cara.  Agora pensa nisso para milhões de brasileiros. São gastos milhões a mais para produzir energia. E adivinha o que acontece com isso... Sobe a conta de luz.

Mas calma amiguinho, não foi só nisso que pensei quando vi a senhora lavar a calçada. Não, não.

Com a conta de luz mais cara, tudo fica mais caro: Comida no restaurante, alimentos no mercado, roupa no shopping, gás encanado e até gasolina! Sim, claro! Ou você acha que todos esses setores não usam energia para funcionar?! Só que eles não pagam a conta sozinhos. Sabe quem vai pagar por esse aumento? Eu, tu, ele, nós, vós, eles. Simples assim. Claro que outros fatores influenciam nessa conta, mas fiquemos na história da energia.

Assim como a conta de luz aumentou 52% por cada 100 kw/h consumidos na nossa casa, aumentou para todas as empresas no país. E a inflação segue na vertical com se estivesse num foguete da Nasa. Essa conta matemática que perdeu os sinais de subtração e divisão é culpa de todos nós. É também da senhora que lava a calçada jorrando água como se não houvesse o amanhã. Duro é dizer que a água no mundo está acabando e ouvir a resposta dela: "Eu pago pela minha água meu filho!". Paga sim e vai pagar cada vez mais.

Não é falta de calculadora, é falta de informação.

A gente se vê.

Últimas