Luiz Fara Monteiro Aumento de combustíveis ameaça recuperação do setor aéreo 

Aumento de combustíveis ameaça recuperação do setor aéreo 

Alta de 91,7% preocupa companhias, que reclamam de impostos e tributos excessivos

Alta de combustíveis pode frear retomada do setor aéreo

Alta de combustíveis pode frear retomada do setor aéreo

Marcos Rocha

Passageiros que precisam viajar regularmente perceberam como se tornou mais difícil comprar passagem aérea com preços mais atrativos nas últimas semanas.

A resposta para a escassez das promoções pode estar numa preocupação da Associação Brasileira das Empresas Aéreas.

A ABEAR faz um alerta para a escalada do preço do querosene de aviação (QAV), que registrou alta de 91,7% no segundo trimestre deste ano, em relação a igual período do ano passado, segundo os dados mais recentes da Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC).

A associação também está preocupada com os sucessivos recordes de cotação do dólar em relação ao real neste ano, fatores que podem ameaçar uma retomada mais consistente da aviação comercial brasileira e vêm pressionando os preços das passagens aéreas. Apesar desse cenário desafiador, nos últimos cinco meses houve crescimento da oferta de voos domésticos.

De acordo com a ABEAR, os valores das tarifas aéreas são inferiores aos níveis pré-pandemia.

O levantamento mais recente da ANAC mostra que a tarifa média aérea doméstica real do segundo trimestre de 2021 registrou queda de 19,98% em comparação com o mesmo trimestre de 2019, período prévio aos impactos da pandemia da Covid-19. O preço médio do bilhete foi de R$ 388,95, ante R$ 486,10.

A asscociação que representa as maiores companhias nacionais destaca que qualquer comparação de preços de bilhetes tendo como referência o ano de 2020 leva em consideração os menores valores históricos por causa do impacto da pandemia. No ano passado, a tarifa aérea doméstica se situou em R$ 376,29, o menor preço em 20 anos.

O QAV, explica a  Associação Brasileira das Empresas Aéreas, é o item de maior ineficiência econômica para as companhias aéreas brasileiras, aliado à escalada da cotação do dólar em relação ao real, já que 51% dos custos do setor são indexados pela moeda norte-americana. O mais recente levantamento da ABEAR sobre o QAV  revela que, no primeiro semestre de 2021, o preço médio do combustível na bomba, no Brasil, foi 24,6% superior do que nos Estados Unidos. Contribuiu para essa distorção o fato de que o Brasil é o único país do mundo que tem um tributo regional sobre o QAV, o ICMS.

As companhias estrangeiras, por sua vez, não pagam esse imposto para abastecer em território nacional. "É por isso que uma viagem internacional muitas vezes é mais barata do que um voo doméstico, considerando-se distâncias similares. Um dos pilares da ABEAR é o alinhamento das regras brasileiras às melhores práticas internacionais, para que haja condições de igualdade na competição global que ampliem a eficiência das empresas aéreas brasileiras", explica o presidente da ABEAR, Eduardo Sanovicz.

Últimas