Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Luiz Fara Monteiro
Publicidade

Brasil registra recorde de passageiros em voos internacionais em maio

Dados foram divulgados no relatório de demanda e oferta da Anac

Luiz Fara Monteiro|Luiz Fara MonteiroOpens in new window


Aeroporto de Guarulhos é a grande porta de entrada e saída de voos internacionais no Brasil Reprodução/RECORD

A movimentação de passageiros internacionais na aviação civil brasileira alcançou um marco em maio de 2024, registrando o melhor índice para o mês desde o início da série histórica em janeiro de 2000. Durante o período, 1,9 milhões de passageiros foram transportados em voos internacionais, representando um aumento de 18,2% em relação a maio de 2023. Os dados foram divulgados no relatório de demanda e oferta da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), atualizado até maio de 2024.

A demanda internacional, medida em passageiros por quilômetro (RPK), também obteve resultados recordes para o mês de maio, com um crescimento de 15,7% em comparação ao mesmo período do ano anterior. Além disso, a oferta de assentos internacionais, mensurada em assentos por quilômetro ofertados (ASK), apresentou um aumento significativo de 14,4% em relação a maio de 2023.

Esses números refletem uma recuperação robusta e um aumento na capacidade das companhias aéreas brasileiras no mercado internacional.

Outro indicador positivo foi a movimentação de cargas internacionais, que cresceu 9,4% em relação a maio de 2023. Ao todo, foram processadas 75,2 mil toneladas de carga nos terminais de logística dos aeroportos brasileiros, indicando uma retomada sólida do setor de carga aérea internacional.

No mercado doméstico, entretanto, a situação foi mista. Foram movimentados 7,1 milhões de passageiros em maio, uma redução de 2,9% em comparação com o mesmo mês do ano anterior. A demanda doméstica manteve-se praticamente estável, com uma leve queda de 0,1%, enquanto a oferta de assentos teve uma redução mais acentuada de 3,8%. Em contrapartida, a movimentação de cargas no mercado interno cresceu 11,5%, totalizando 41,8 mil toneladas processadas.

Os textos aqui publicados não refletem necessariamente a opinião do Grupo Record.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.