Luiz Fara Monteiro Congresso dos EUA deve apoiar extensão da certificação do 737 MAX

Congresso dos EUA deve apoiar extensão da certificação do 737 MAX

Boeing faz lobby intenso há meses para convencer os legisladores a abrir mão do prazo de 27 de dezembro que afeta seus aviões MAX 7 e MAX 10

Boeing 737MAX: extensão da certificação
Boeing 737MAX: extensão da certificação Steve Lynes - Wikimedia Commons


A Boeing deve obter apoio do Congresso para uma extensão de um prazo iminente que impõe um novo padrão de segurança para alertas de cockpit modernos para duas novas versões do avião mais vendido da fabricante de aviões dos Estados Unidos: o 737 MAX, disseram fontes à Reuters.

A empresa com sede em Chicago faz lobby intenso há meses para convencer os legisladores a abrir mão do prazo de 27 de dezembro que afeta seus aviões MAX 7 e MAX 10, imposto pelo Congresso em 2020, depois que dois acidentes fatais do 737 MAX mataram 346 pessoas na Indonésia e na Etiópia. .

Os líderes do Congresso concordaram em anexar a extensão a um projeto de lei para financiar as operações do governo dos EUA e exigir novas melhorias de segurança para as aeronaves MAX existentes propostas pela senadora americana Maria Cantwell, presidente do Comitê de Comércio do Senado, disseram as fontes. Essa enorme lei de gastos ainda deve ser aprovada nos próximos dias.

Cantwell propôs exigir a modernização dos aviões MAX existentes com um "ângulo de ataque aprimorado (AOA) e um meio de desligar os alertas de estol e alertas de excesso de velocidade, para todas as aeronaves MAX", informou a Reuters em 30 de novembro.

Dados defeituosos de um único sensor que acionaram erroneamente uma função de software chamada MCAS para ativar repetidamente desempenharam papéis críticos nos acidentes fatais do 737 MAX.

A Administração Federal de Aviação (FAA) em 2020 exigiu que a Boeing modernizasse os aviões para garantir que o MCAS pudesse ser ativado apenas se recebesse dados de dois sensores AOA.

A Boeing se recusou a comentar, mas o presidente-executivo da Boeing Commercial Airplanes, Stan Deal, disse na semana passada que a fabricante de aviões apoiou a proposta de atualização de segurança de Cantwell.

Depois de 27 de dezembro, todos os aviões devem ter sistemas modernos de alerta de cockpit para serem certificados pela FAA, o que pode comprometer o futuro do MAX 7 e 10 ou significar atrasos significativos para a implantação das novas aeronaves - a menos que o Congresso aprove a legislação. O requisito de alerta não se aplica a aviões em serviço previamente certificados pela FAA.

A Boeing disse em outubro que espera que o 737 MAX 7 seja certificado este ano ou em 2023 e, na semana passada, o Boeing's Deal disse que acha que o MAX 10 poderia receber a certificação no final de 2023 ou início de 2024.

Michael Stumo, cuja filha morreu no acidente do MAX da Ethiopian Airlines, criticou a decisão de adicionar a disposição, observando que o Congresso não realizou audiências sobre o pedido da Boeing para estender o prazo. "Sem dados, sem exame", disse Stumo à Reuters na segunda-feira. "É assim que as pessoas morrem em aviões."

A Boeing obteve apoio importante dos sindicatos da aviação na semana passada, de acordo com cartas não divulgadas anteriormente vistas pela Reuters.

O presidente da Associação Internacional de Maquinistas e Trabalhadores Aeroespaciais, Robert Martinez, disse aos líderes do Congresso em cartas de 14 de dezembro vistas pela Reuters que o "prazo ameaça cancelar os programas de aeronaves MAX-10 e MAX-7, o que resultaria em impactos devastadores sobre milhares de trabalhadores e suas comunidades em todo os EUA, bem como o futuro da indústria aeroespacial dos EUA."

Os textos aqui publicados não refletem necessariamente a opinião do Grupo Record.

Últimas