Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Nosso Mundo - Blogs
Publicidade

Rivellino foi na Copa de 70 o que Rivaldo foi em 2002

Apesar de Pelé ser o maior de todos os tempos e, assim como Ronaldo em 2002, o nome de mais peso naquele time, foi Rivellino quem melhor atuou

Nosso Mundo|Eugenio Goussinsky, do R7


Rivellino foi o destaque do Brasil naquela Copa
Rivellino foi o destaque do Brasil naquela Copa

A famosa frase "A César o que é de César", desde os tempos do Império Romano, se tornou um dito popular para defender que cada um deve receber o que é de seu direito, por sua atribuição ou mérito.

Leia mais: Messi: "O futebol, como a vida em geral, nunca será o mesmo"

Rivellino, neste sentido, deveria ter seu nome elevado para sempre entre os grandes, e não erodido, apesar de continuar muito respeitado, pela passagem do tempo. E bem no dia desta coluna, morreu o atacante Ronaldo Drummond, ex-Palmeiras, cujo gol na final do Paulista precipitou a saída de Rivellino do Corinthians.

Leia mais: O 'pontinha' que um dia calou o menino tagarela

Publicidade

Antes da Copa de 70, que neste mês completa 50 anos, Rivellino não era titular na seleção. Só foi garantir a posição em amistoso mais de um mês antes contra a Áustria, no Maracanã, após pedido dos próprios jogadores e a visão de Zagallo, de que a habilidade e a criatividade daquele jovem meia eram imprescindíveis para o time.

Na própria Copa, Rivellino foi o que, anos depois, Rivaldo seria na Copa de 2002. O melhor jogador do time, mas não o maior nome do time. Logo na estreia, assumiu a responsabilidade e fez o primeiro gol do Brasil, contra a Tchecoslováquia.

Publicidade

No restante da Copa, além de marcar outros dois, em mais quatro partidas disputadas, foi o destaque individual, apesar da qualidade e bom desempenho dos outros craques brasileiros.

Ao lado de Carlos Alberto, Gérson, Jairzinho e Pelé, foi eleito para o "time de estrelas" daquela competição.

Publicidade

Não foi para menos. Ainda com 24 anos, ele apresentou ao mundo um repertório infindável de toques com a esquerda até se tornar campeão mundial. Maradona sempre disse que a classe de Rivellino foi sua inspiração na infância. E Maradona inspirou Messi.

De todos os jogadores da história, Rivellino foi o que mais soube adaptar técnicas do antigo futebol de salão, hoje futsal, para o futebol de campo.

O domínio de bola assimilado nas quadras deu a ele um amplo controle do jogo nos gramados.

E uma gama de passes, fintas e lançamentos raríssima para um canhoto. O jeito dele tocar na bola era único. Roçava a bola com a parte de dentro do pé, fazendo um passe simples em curva se tornar belo.

Era nítido o prazer que tinha em sentir a bola aos seus pés, conduzindo-a tranquilamente como um soberano no gramado e olhando para todos os lados a fim de encontrar o mais justo destino a ela.

Parecia amaciar a bola com o peito de pé, no momento do lançamento, colocando um efeito que a fazia se assemelhar a uma ave de rapina, caindo quase parada no peito ou no pé do companheiro. Dava a chamada "rosca", com os três dedos, com uma precisão única.

E o chute, fortíssimo, poderia ser visto apenas como voluntarioso se, antes dele ser desferido, a bola não fosse tratada com tanta suavidade. A "bomba", portanto, era apenas uma evolução gradativa, até a elegância atingir seu ápice.

Pois Rivellino, com seu temperamento de leão e uma sensibilidade de violinista, utilizou tudo isso naquela Copa.

E mais, fazia de seu controle de bola um recurso básico para dribles desconcertantes: os "elásticos", os que passava a perna em cima da bola antes de dar o bote para a esquerda, os drag backs (vai-e-vem) à la Puskas.

Numa jogada deste tipo, deixou Pelé na cara do gol contra a Tchecoslováquia. E, na final contra a Itália, esnobou com elásticos e drag backs, que deixaram os zagueiros tão irritados, que, sob o calor da partida na Cidade do México, apelaram para a violência.

Veja também: Jogador de futebol vira feirante após ter contrato encerrado na pandemia

A função tática como um quarto homem de meio, muito bem exercida, foi apenas um complemento da sua performance técnica.

Pelé, como Ronaldo, na Copa de 2002, era o nome de maior impacto no time. Foi o vice-artilheiro da equipe.

E, logicamente, é e sempre será Pelé. O maior de todos. Mas que o papel de Rivellino, nome que, na minha infância, remetia a algo nobre do futebol, jamais seja esquecido ou relegado com o passar dos anos. Sejam eles 50, 100, um milênio. A Rivellino o que é de Rivellino. Para sempre.

Veja os 20 jogadores que mais se valorizaram em 2020 no Brasil

Os textos aqui publicados não refletem necessariamente a opinião do Grupo Record.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.