Nosso Mundo Seleção da França rompe barreiras e se impõe no século 21

Seleção da França rompe barreiras e se impõe no século 21

Nos anos 70, time ainda considerado mediano já era prenúncio de uma nova ordem na sociedade francesa, com imigrantes como Tresor

seleção, frança, barreiras, impões, século 21

População se reconhece na seleção francesa

População se reconhece na seleção francesa

Reuters

Nos anos 70, a França era vista como uma seleção mediana. Tipo Bulgária ou Sérvia hoje em dia. Até então, o esporte era basicamente subvencionado pelo Estado. Bem de acordo com a essência cultural francesa, baseada no desapego ao material e apego a valores culturais e ao pensamento.

Mesmo assim, na Copa de 1978, o futebol já começava a ser um embrião do que os filósofos, fundamentais para a evolução e amadurecimento da sociedade, ainda não viam como um fenômeno. Que se tornaria real com a seleção francesa chegando a três finais de Copa nos últimos 20 anos.

O time daquele Mundial na Argentina já não era tão mediano. Era um prenúncio. Faltava apenas aquela força competitiva que o diletantismo francês dos anos 60 e 70 tinha inibido. 

A equipe contava com jogadores de qualidade, como Battiston, Six, Platini e Tresor. Márius Tresor, nascido em Guadalupe, foi o precursor do que iria ocorrer no futebol e na sociedade franceses a partir de então.

Era um tempo em que a sociedade local se deparou com uma nova realidade, estampada na figura daquele Tresor, negro, ágil e grandioso em seus passos em campo. E em sua coragem. Era um desbravador aquele imigrante vindo daquela colônia francesa na América Central.

Depois de Tresor, veio Jean Tigana, este imigrante do Mali. Todos chegavam à França em busca de melhores condições de vida.

A Lei que retirou o passe obrigou os times a se profissionalizarem, a partir dos anos 90. E a presença de empresários trouxe capital ao futebol francês. O dinheiro então foi direcionado para lapidar aqueles talentos que vinham de regiões pobres do mundo.

O futebol ganhou importância, mesmo não sendo tão monopolizador como é no Brasil. E a França passou a ser palco para o desenvolvimento destes jogadores, principalmente os vindos da periferia. Tornaram-se valiosos, fontes de receitas para o futebol. Além disso, a diversidade de biotipos ajudou o futebol francês a se tornar potência.

Estas celebridades imigrantes eram o retrato de uma nova França. Mas incompleto. Eram, por isso, um retrato e um recado. Que dizia que eles, os incluídos, ainda eram exceções. 

Mesmo assim, só o fato de serem aceitos e jogarem na seleção significava um passo adiante, dentro de uma equipe antes caracterizada por jogadores brancos de origem europeia. Assim como o país, até então.

O futebol, com isso, acabou sendo uma válvula de escape, um vislumbre para os excluídos, como imigrantes e seus filhos que viviam nas periferias de Marselha, Paris e outras cidades. E foi bem-sucedido. 

Estive em Paris em 1998, para assistir à Copa do Mundo. Testemunhei aquele momento em que mais de um milhão de pessoas comemoraram o título de uma seleção francesa já recheada de imigrantes, como Marcel Desailly (nascido em Gana), Christian Karembeu (na Nova Caledônia) e Rudy Lilian Thuram, também vindo de Guadalupe.

Essa realidade passou a se tornar cada vez mais estampada na sociedade. Escancarava-se dentro dos gramados. O jogadores se tornaram uma caixa de som que, por um lado, apontava para uma nova França. 

E, por outro, mostrava uma velha França, ainda preconceituosa e excludente com aqueles que não tiveram as possibilidades de ingressar em uma atividade como o futebol. A própria existência destes jogadores consagrados denunciava a ala xenófoba e fascista, que ainda resiste à França multicultural.

Os jogadores passaram a se multiplicar. A dominarem o cenário. E, nesta onda, continuam fortalecendo a seleção francesa. Como Mbappé, cujo pai é camaronês e a mãe, argelina, e vieram para a França em busca de oportunidades. O filho cresceu numa cidadezinha próxima de Paris, Bondy, e graças ao futebol resolveu os problemas financeiros da família. 

Na época em que acompanhei a Copa de 98, pelas ruas históricas de Paris, via a juventude borbulhando. E o futebol era mais um item desta integração. Já não dava mais para retroceder. Mesmo vendo que os pedintes eram justamente os descendentes de imigrantes. A seleção francesa era, porém, o sinal. Acenava para a importância do acolhimento e da integração nesta nova etapa. A população, no geral, passou a se reconhecer nesta equipe.

Passei aquele mês embalado por uma linda melodia, da música Le premier jour (O primeiro dia), de Ettiene Dahou. No trecho inicial, com um tom suave, a letra falava da importância de se buscar uma nova aposta, mesmo em uma manhã que parece comum. Depois fazia uma queixa: "Fique de pé, mas a que preço. Sacrifique seu instinto e seus desejos. O mais confidencial".

E, por fim, trazia uma mensagem de esperança. "Mas tudo pode mudar hoje. É o primeiro dia do resto de sua vida. É providencial."
Tal qual os pais de Zidane, Etienne Dahou nasceu na Argélia. Falava por ele mesmo e por todo o país. Como tem feito a seleção francesa.