Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Por Dentro da Notícia
Publicidade

Cai o número de acidentes com mortes relacionados à rede elétrica

O principal responsável pelas mortes é a construção/manutenção predial


DF registra aumento de acidentes com pipas na rede elétrica
DF registra aumento de acidentes com pipas na rede elétrica

Dados divulgados pela Associação Brasileira de Distribuidores de Energia Elétrica (Abradee) apontam que no ano de 2023 o país registrou uma redução de quase 8% no número de acidentes com mortes relacionados à rede elétrica, quando comparado ao ano anterior. Foram 250 em 2023 e 270 em 2022.

Durante o ano passado, dentre todos os incidentes registrados pelas distribuidoras, 232 são considerados como lesão grave e 300 como lesão leve.

As distribuidoras apontam diferentes tipos de ocorrências provocadas pelo contato das pessoas com a rede elétrica. O principal responsável pelas mortes é a construção/manutenção predial, com cinquenta vítimas.

Apesar da redução do número de mortes relacionadas ao contato com a rede elétrica, no último ano o setor registrou um aumento de vinte e seis casos no número total de acidentes: 782, que englobam além dos incidentes fatais, as lesões graves e leves.

Publicidade

O maior número de acidentes está relacionado à construção ou manutenção predial, cabo energizado no solo, serviços realizados na rede, ligação elétrica clandestina, furto de condutor/equipamento de energia, e incidentes com equipamentos e máquinas agrícolas.

De acordo com o presidente da Abradee, Marcos Madureira, a participação ativa de todos é crucial para continuar avançando na construção de um ambiente mais seguro em relação ao uso da energia elétrica. “A redução dos acidentes fatais em 2023 é um indicativo claro de que nossas ações de conscientização estão no caminho certo.

Publicidade

No entanto, o aumento no número total de acidentes nos alerta para a necessidade de intensificarmos nossos esforços. Cada vida importa e nosso objetivo é zerar o índice de acidentes”, afirma. “Com a nova campanha, queremos alcançar um número ainda maior de pessoas e garantir que a mensagem de segurança chegue a todos os cantos do país”.

Veja também


Os textos aqui publicados não refletem necessariamente a opinião do Grupo Record.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.