Estratégia de Raulzito e resposta do SBT. Como proteger as crianças?

Influencer Raulzito foi preso na terça-feira após ser denunciado por estupro de vulnerável. Especialistas comentam o aumento de casos de crimes de pedofilia no Brasil

Raulzito. Era assim que o youtuber e gamer Raulino de Oliveira Maciel se apresentava às crianças. Nas redes sociais, ele coleciona milhares de seguidores e tem uma estratégia para atrair a atenção dos pequenos: postar vídeos e conteúdos relacionados ao jogo Fortnite, game que virou febre entre os jovens.

De acordo com a Polícia Civil do Rio de Janeiro, Raulzito fazia contatos com crianças por meio das redes sociais e sinalizava a possibilidade delas se tornarem famosas no universo dos jogos, depois, agendava encontros pessoais. Uma das vítimas descreveu para a mãe detalhes do abuso. Até agora, duas crianças denunciaram o estupro, mas, a suspeita da polícia é que outros menores também tenham sido abusados por ele. 

Influenciador de games, famoso nas redes sociais, é acusado de estupro de vulnerável

Influenciador de games, famoso nas redes sociais, é acusado de estupro de vulnerável

Reprodução

Assim, após uma investigação da Delegacia da Criança e do Adolescente Vítima (DCAV), o youtuber foi acusado de estupro e preso na manhã de terça-feira. A defesa de Raulzito ainda não se manifestou.

O SBT, local em que o gamer trabalhava desde o ano passado, se posicionou por meio de nota e informou sua demissão. "(...) Ele era produtor de conteúdo não exclusivo da plataforma, não tendo nesta condição direito algum em usar o nome da emissora em negociações fora das propriedades do SBT Games. O SBT aguarda a elucidação dos fatos e resultado da investigação". 

Alerta para os pais

Infelizmente, não é a primeira vez que somos informados a respeito de adultos que usam as redes sociais para atrair crianças e cometer crimes. A pedofilia virtual se potencializou muito durante a pandemia. O Fundo das Nações Unidas para a Infância estima que 85% das crianças e adolescentes brasileiros sejam usuários da internet.

Os números realmente impressionam e entristecem. Segundo um estudo divulgado pela Organização dos Advogados do Brasil (OAB), do Rio Grande do Sul, cerca de 320 crianças e adolescentes são abusados sexualmente por dia no Brasil. 

E a forma de abordagem é geralmente a mesma: se dá por meio do carinho e da atenção. "Esses criminosos buscam oportunidades para se aproximar da criança. Ao conseguirem isso, passam a suborná-la e até prometem recompensas, caso ela coopere com seus desejos. Se a criança recusar, vem a ameaça e o pedido de segredo para que a vítima não faça a denúncia”, revela a psicóloga Cláudia Melo.

Numa sociedade marcada pelo alto nível de permissividade e facilidade de acesso à internet, as crianças se tornam altamente vulneráveis. Por isso, os adultos (não só os pais, mas o conjunto de pessoas em torno das crianças) são as principais autoridades que podem impedir, ou pelo menos tentar evitar, os casos de abuso sexual infantil.

Pedófilos usam redes sociais para atrair crianças e adolescentes

Pedófilos usam redes sociais para atrair crianças e adolescentes

Pixabay

"Há duas maneiras de fazer isso: a primeira é por meio da supervisão. Criança não tem que ter senha no celular, muito menos acessar o que quiser. Os adultos precisam pensar bem se devem permitir o acesso às redes sociais e, caso permitam, precisar estar atentos 24 horas e orientar sobre os perigos", alerta a psicóloga.

Presença e denúncia

Por isso, os pais ou responsáveis não devem deixar as crianças sozinhas. Nos Estados Unidos, o National Center for Victims of Crimes (Centro Nacional de Vítimas de Crimes) calcula que uma a cada 5 meninas e um a cada 20 meninos já tenham sofrido algum tipo de abuso sexual.

Então, desconfie sempre. Esse é o primeiro cuidado que a mãe, o pai ou cuidador da criança deve adotar. Se faz necessário entender que o pedófilo pode estar dentro de casa, no bairro, pode ser um parente, um professor, um influenciador etc.

"Evite deixar as crianças sozinhas. Além disso, legitime a voz delas, ou seja, incentive para que compartilhem tudo o que acontece. Infelizmente, muitos responsáveis não acreditam quando elas fazem uma denúncia. Então, se fizerem algum tipo de queixa, devem ser levadas a sério. A denúncia é o primeiro passo", orienta o advogado criminalista, Dr. Marcus Mangini.

O Disque 100 é um serviço de denúncias e proteção contra violações de direitos humanos 24 horas, que funciona todos os dias da semana. No Brasil, é um dos principais meios de denúncia dos crimes envolvendo crianças e jovens. A denúncia também pode ser feita nos conselhos tutelares, delegacias de polícia ou anonimamente por meio do site www.dpf.gov.br.

Manter o silêncio em torno destes crimes favorece o aumento dos casos e piora ainda mais as ações de prevenção e de punição dos abusadores. Denuncie.

Últimas