Rio de Janeiro Polícia do RJ passa a investigar falso médico após erro de português

Polícia do RJ passa a investigar falso médico após erro de português

Suspeito que atendia na UPA do Engenho Novo, zona norte da capital, foi identificado após escrever "potacio" ao invés de potássio

Erro de ortografia na receita com potássio escrito com c: "Potacio"

Erro de ortografia na receita com potássio escrito com c: "Potacio"

Record TV Rio

As investigações para apurar a atuação de um falso médico na UPA (Unidade de Pronto Atendimento) do Engenho Novo, na zona norte do Rio de Janeiro, estão em andamento no 25ª DP (Engenho Novo), que instaurou inquérito para apurar o caso, de acordo com a Polícia Civil.

O suspeito foi ouvido na unidade policial, nesta terça (25), e outras testemunhas estão sendo chamadas para prestar depoimento.

O caso foi descoberto pela OS (Organização Social) Viva Rio, responsável pela contratação do suposto profissional. Ele se apresentou com documentos falsificados e cobria outro médico, do quadro fixo de funcionários, que se ausentou em um plantão específico.

Erros de português em uma receita médica escrita pelo suspeito chamaram a atenção. Após a identificação da fraude, o falso médico foi imediatamente excluído dos cadastros operacionais e teve o pagamento suspenso. A OS informou ainda que os pacientes atendidos por ele retornaram à unidade e foram reavaliados.

Por meio de nota, o Cremerj (Conselho Regional de Medicina do Rio de Janeiro) afirmou ter encaminhado um documento esta semana às secretarias estadual e municipais de Saúde, solicitando que os gestores realizem a revisão do cadastro dos profissionais contratados por empresas terceirizadas.

Há uma semana, outro suspeito, que atendeu pacientes com covid-19, foi preso pela polícia por realizar atendimentos na UPA de Realengo, na zona oeste.

* Estagiário do R7 sob supervisão de Raphael Hakime

Últimas