Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

Redução de voos no Santos Dumont entrará em vigor em outubro

O ministro de Portos e Aeroportos, Márcio França, disse que a medida será implementada de forma gradual

Rio de Janeiro|

Aeroporto Santos Dumont terá redução de voos
Aeroporto Santos Dumont terá redução de voos Aeroporto Santos Dumont terá redução de voos

A redução de voos no Santos Dumont para tentar combater o esvaziamento do aeroporto internacional do Galeão vai entrar em vigor a partir de outubro, afirmou nesta segunda-feira (19) o ministro de Portos e Aeroportos, Márcio França.

O governo federal decidiu na semana passada, junto com a Prefeitura do Rio, que o Santos Dumont, no centro da cidade, ficará restrito a voos para os aeroportos de Congonhas, em São Paulo, e Brasília, o que significará a volta ao Galeão dos voos para todos os outros destinos.

Como passagens aéreas já tinham sido vendidas com antecedência, a implantação da medida precisará ser gradual, disse França, que acrescentou que a redução de voos começará a ser posta em prática em outubro.

“A partir de outubro, quando não há mais voos já contratados, vão começar as reduções", disse o ministro a jornalistas.

Continua após a publicidade

“A implantação é progressiva dessas medidas. Quando a pessoa adquire uma passagem, a gente não pode chegar para a pessoa e dizer: 'A passagem que você adquiriu não tem validade'. As companhias têm que ser preparadas para isso... A partir de outubro a gente faz a redução", acrescentou.

O aeroporto do Galeão, na zona norte, movimentou menos de 6 milhões de passageiros no ano passado, mesmo tendo uma capacidade anual para mais de 30 milhões, enquanto o Santos Dumont teve mais de 10 milhões, segundo dados do governo federal.

Continua após a publicidade

O grande número de voos e passageiros no Santos Dumont é apontado como uma das causas do esvaziamento do Galeão. A concessionária Changi, de Cingapura, chegou a anunciar que pretendia devolver a concessão do Galeão, mas depois voltou atrás, em um movimento que está em análise pelo TCU (Tribunal de Contas da União).

“O Galeão, este ano, já deve ir para quase 8 milhões, mas ainda sim não é suficiente para um aeroporto tão grande, bem montado e com a maior pista do Brasil. Queremos que a Changi faça a parte dela também e coloque outros empreendimentos lá“, disse França.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.