Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

Último preso político da Lava Jato, Sérgio Cabral pode deixar a cadeia até segunda (19)

O ex-governador do Rio deverá cumprir prisão domiciliar em um imóvel em  Copacabana, na zona sul

Rio de Janeiro|Do R7, com informações da Agência Estado

Ex-governador Sérgio Cabral está preso desde 2016
Ex-governador Sérgio Cabral está preso desde 2016 Ex-governador Sérgio Cabral está preso desde 2016

Último preso político da Lava Jato, o ex-governador do Rio Sérgio Cabral pode deixar a cadeia ainda neste sábado (17) ou até segunda-feira (19). Cabral aguarda a expedição do alvará de soltura, segundo a defesa, após o STF (Supremo Tribunal Federal) ter decidido revogar a prisão preventiva (sem prazo) no último processo que o mantinha no Batalhão Prisional da PM, em Niterói, região metropolitana do Rio.

O ex-governardor do Rio deverá cumprir prisão domiciliar em um imóvel em Copacabana, zona sul do Rio, de acordo com os advogados. A Justiça ainda deve determinar se Cabral terá de usar tornozeleira eletrônica. 

Leia também

Sérgio Cabral está na cadeia desde 2016, acusado de participação em esquemas de corrupção e recebimento de propinas. Ele já foi condenado em ações cujas penas somadas ultrapassam 430 anos de prisão.

Após a decisão do STF, os advogados divulgaram uma nota oficial, na qual declaram que Cabral ficará em prisão domiciliar aguardando a conclusão das demais ações penais e que ele "confia em uma solução justa, voltada ao reconhecimento de sua inocência e de uma série de nulidades existentes nos demais processos a que responde".

A decisão de liberar o ex-governador foi da Segunda Turma do STF por entender que havia excesso de prazo no cumprimento da prisão preventiva. Com o placar empatado em 2 a 2, o voto decisivo coube ao ministro Gilmar Mendes, que acompanhou Ricardo Lewandowski e André Mendonça. Já os ministros Edson Fachin e Nunes Marques votaram contra.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.