Acusado de simular assalto e atirar na cabeça de mulher é preso em SP

Ele matou a mulher por ciúmes, depois que ela saiu com outro. Arrependido, homem ainda foi ao hospital visitar a vítima, que morreu dias depois

Pena por feminicídio pode variar de 12 a 30 anos de prisão

Pena por feminicídio pode variar de 12 a 30 anos de prisão

Divulgação

Paulo Roberto da Silva, acusado de matar sua ex-namorada com um tiro na cabeça em uma simulação de assalto, foi preso nesta quarta-feira (11), em Guarulhos, Grande São Paulo. Ele estava foragido depois que o assassinato foi gravado por câmeras de segurança do local onde a vítima trabalhava, na cidade de São Miguel (RN).

Leia mais: Relembre casos de feminicídio que chocaram o país nos últimos meses

O homem informou aos policias que atirou contra a mulher por ciúmes porque a moça tinha saído com um outro homem. Ele foi ao local onde a moça trabalhava, simulou um assalto e atirou contra a cabeça da jovem, sem que ela esboçasse qualquer reação.

Ainda de acordo com depoimentos, ele chegou a se arrepender do crime, e foi para o hospital vistar a vítima depois de ter atirado nela. Fotos em redes sociais mostram o rapaz segurando a mão da ex-companheira na cama do hospital. 

A prisão

Policiais conseguiram deter o foragido em uma adega na rua Jaroslav Hajek, número 44, na Vila Carioca, em Guarulhos. O homem trabalhava como vendedor de bebidas no local e foi preso no momento que chegava ao trabalho. O detido apresentou para os policiais uma cédula de identidade em nome de Flavio Pinheiro Gomes, que havia sido emitida no Ceará.

Paulo estava acompanhado dos sócios da adega, que informaram aos policiais que sabiam que o homem estava foragido. Foi apreendida no local uma pistola da marca Taurus, calibre 380, número KLZ45180, e uma identidade falsa em nome de Laercio Pessoa de Freitas, também emitida no Ceará.

O homem está detido na Decade (Delegacia de Capturas e Delegacia Especiais), no centro de São Paulo. Caso condenado, ele pode ser preso por 12 a 30 anos pelo crime de feminicídio, quando o homicídio contra a mulher ocorre por razões da condição de sexo feminino.

*Estagiário do R7, sob supervisão de Ana Vinhas