São Paulo Antes de ser morto pelo próprio filho, milionário ameaçou família

Antes de ser morto pelo próprio filho, milionário ameaçou família

Garoto responderá em liberdade. Caso ocorreu em mansão na cidade de Valinhos (SP), após filho ser ameaçado de morte pelo pai

  • São Paulo | Do R7, com informações da Record TV

Empresário vivia em mansão de luxo em Valinhos (SP)

Empresário vivia em mansão de luxo em Valinhos (SP)

Reprodução

morte de um milionário pelo próprio filho dentro da mansão da família em Valinhos, no interior de São Paulo, na tarde de terça-feira (4), ocorreu após a vítima ameaçar assassinar a mulher e o garoto. O crime aconteceu a menos de uma semana do Dia dos Pais.

Mãe e filho prestaram depoimento por horas logo após o crime. Era por volta de meia-noite quando o adolescente deixou a delegacia com a mãe no carro da família. Ele responderá em liberdade.

O início da briga



No depoimento à polícia, mãe e filho contaram que a briga na família começou no dia anterior. O empresário teria até apontado uma arma na direção do menino e da esposa, fazendo várias ameaças de morte.

O garoto contou que o pai não dormiu em casa e, no dia seguinte, voltou ainda mais violento. O adolescente disse que fez apenas um apelo: queria que o pai permitisse que ele e a mãe fossem embora. Quando os dois se preparavam para sair, na garagem de casa, o empresário teve então uma nova reação violenta que, desta vez, acabou em tragédia.

Ameaça de morte


O Cidade Alerta, da Record TV, teve acesso aos depoimentos que revelam, em detalhes, o que aconteceu. No momento em que mãe e filho se preparavam para deixar a casa, o homem apareceu. Mandou que o garoto ficasse sem roupa no quarto porque seria agredido até perder os dentes. Se não morresse, ficaria com graves sequelas.



Foi quando o menino decidiu pegar uma arma. Mesmo ferido pelo primeiro disparo, o empresário correu até o carro. O garoto imaginou que o pai pegaria outra arma dentro do veículo e, por isso, decidiu atirar mais duas vezes. O empresário morreu na hora.

A perícia na mansão foi concluída e a residência, liberada. Após a autorização da polícia, nesta quarta-feira (4), a reportagem do Cidade Alerta mostrou uma pessoa limpando as manchas de sangue que ficaram na garagem.

Tortura física e psicológica

A polícia trabalha agora para descobrir o que realmente acontecia na mansão da família. A defesa alega que mãe e filho viviam sob constante tortura física e psicológica. Foi o que afirmaram na delegacia.

O garoto contou que presenciou mais uma briga dos pais e decidiu defender a mãe. Ele então foi até o local onde o pai guardava a coleção de armas. Escolheu uma e disparou três vezes na garagem.

A tese de legítima defesa pode fazer toda diferença no julgamento. Se a Justiça confirmar, dificilmente o garoto vai ser internado na Fundação Casa.

Medo pela morte da mãe

O que o adolescente contou surpeendeu até mesmo os policiais que atenderam a ocorrência. “No dia anterior, ele havia ameaçado os dois, colocado os dois de joelhos no chão, apontado a arma pra cabeça, enfiado a arma na boca de uma das vítimas, dizendo que ia matá-los”, detalha o tenente da PM Juliano Cerqueira.

De acordo com Cerqueira, a motivação do crime foi o contexto e violência doméstica, confirmado por mãe e filho. “Segundo ele, ele acreditava que a mãe iria morrer, que o pai iria matar a mãe, então agiu inicialmente em legítima defesa, segundo a versão dele e a versão da mãe.”

A polícia civil vai analisar as imagens do circuito de segurança da mansão para confirmar a dinâmica do caso, mas funcionários confirmaram em depoimento que o empresário era agressivo, e chegava andar armado dentro de casa para aterrorizar a própria família.

Últimas