São Paulo Metroviários aceitam proposta e decidem não fazer paralisação

Metroviários aceitam proposta e decidem não fazer paralisação

O Sindicato dos Metroviários reivindicava reajuste salarial de 20%, mas o Metrô ofereceu 12,26% de aumento e benefícios 

  • São Paulo | Do R7

Movimentação na estação Paraíso do Metrô, na zona sul de São Paulo

Movimentação na estação Paraíso do Metrô, na zona sul de São Paulo

RENATO S. CERQUEIRA/FUTURA PRESS/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO-11/4/2022

Os metroviários decidiram não fazer greve amanhã, quarta-feira (25), e aceitaram proposta oferecida pelo Metrô, em assembleia da categoria no começo da noite desta terça-feira (24), em São Paulo. A decisão ocorreu após audiência de conciliação do TRT (Tribunal Regional do Trabalho de São Paulo).

O Sindicato dos Metroviários reivindicava reajuste salarial de 20%, mas o Metrô ofereceu 12,26% de aumento e benefícios como vale-refeição e vale-transporte, o que foi aceito. A empresa também ofereceu um step a mais do que vinha propondo.

Step é um mecanismo que a empresa usa para buscar a isonomia salarial. Existem muitos casos de metroviários que desempenham a mesma função e ganham salário diferente. O step é um "degrau", um reajuste incorporado ao salário dos que ganham menos tendo como referência os salários maiores.

A proposta, segundo os metroviários, não atendeu à reivindicação da categoria, mas eles consideraram que obtiveram uma vitória no caso do step e vão continuar a mobilização. 

Em carta aberta, o sindicato reafirma ser necessária a contratação de funcionários por concurso público. "A falta de trabalhadores dificulta o atendimento à população e coloca em risco a segurança dos usuários e funcionários", afirma o texto.

Uma das principais reivindicações diz respeito à equidade salarial. "Outro problema grave é que não existe justiça salarial no Metrô. São muitos os casos de funcionários que desempenham a mesma função mas recebem salários diferentes", diz a nota.

Últimas