Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

SP: Morte de adolescente gera protestos e ônibus queimados

De acordo com familiares, o jovem teria sido morto por um policial militar que trabalhava como vigilante em um galpão na zona sul da cidade

São Paulo|Do R7, com informações da Record TV

Morte de adolescente revolta moradores da Vila Clara, zona sul de SP
Morte de adolescente revolta moradores da Vila Clara, zona sul de SP Morte de adolescente revolta moradores da Vila Clara, zona sul de SP

A morte do adolescente Guilherme Silva Guedes, de 15 anos, ocorrida na madrugada do domingo (14) , na Vila Clara, zona sul de São Paulo, motivou protestos por parte de familiares e amigos, que começaram por volta das 17h desta segunda-feira (15) e duraram por mais de três horas na região. Inicialmente pacífica, a manifestação arrefeceu e houve confronto entre populares e policiais militares. As informações são da Record TV.

Leia também: Vídeos mostram PMs espancando jovem rendido em SP

De acordo com a tia de Guilherme, ele teria desaparecido pela ação de um policial que trabalhava como vigilante em um galpão da região. Após um assalto no estabelecimento, o suposto policial teria ido atrás dos responsáveis na região, confundindo o adolescente, que não tem passagens na polícia, com um dos criminosos. 

A família ainda afirma que encontrou o crachá de um policial no local de onde Guilherme teria desaparecido. Este suposto policial seria de São Bernardo do Campo. Familiares e amigos do adolescente protestaram em frente ao local onde o jovem foi visto pela última vez. O dono do estabelecimento que foi assaltado afirmou que os seguranças terceirizados do local não trabalham armados. 

Leia também

Câmeras de segurança mostraram Guilherme pouco antes de seu sumiço. Ele conversa com um amigo por um tempo, até que fica sozinho, em frente à casa de sua avó. Logo depois, dois homens chegam ao local. Um deles esconde um objeto parecido com uma arma em suas mãos.

O corpo de Guilherme foi encontrado com tiros nas mãos e na cabeça. A vítima também apresentava vários sinais de agressão, segundo familiares.

Depois que os manifestantes fecharam uma das ruas da região, a polícia chegou ao local. Uma parte das pessoas atirou pedras contra os agentes de segurança e ainda tentou interditar o sentido Marginal Pinheiros da avenida Cupecê. 

O confronto entre os manifestantes e os policiais duraram por mais de três horas. Após cerca de três horas de protestos, a reportagem do Cidade Alerta obteve a informação que manifestantes teriam incendiado dois ônibus na região. Outras barricadas foram erguidas pelas ruas do bairro.

Marcela, que estava um dos ônibus antes do veículo ser queimado, relembrou a ação dos manifestantes. "Pararam o ônibus, jogaram muitas pedras. Eram vários jovens, o mais velho tinha uns 18 anos. Mandaram todo mundo descer", disse. Ela ainda relatou que o incêndio atingiu casas próximas ao veículo 

R7 procurou a SSP-SP (Secretaria de Segurança Pública de São Paulo) para obter esclarecimentos sobre a investigação relativa à morte do adolescente, mas não houve resposta até o momento. 

Moradores da região fecham rua na zona sul de São Paulo
Moradores da região fecham rua na zona sul de São Paulo Moradores da região fecham rua na zona sul de São Paulo

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.