Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

Veja tudo o que se sabe sobre o ataque em escola de SP que deixou professora morta

Polícia acredita que o adolescente tenha premeditado o crime; quatro pessoas, três professores e um aluno, ficaram feridas

São Paulo|Do R7, com informações da Agência Estado


Professora esfaqueada pelo aluno foi identificada como Elisabeth Tenreiro, de 71 anos
Professora esfaqueada pelo aluno foi identificada como Elisabeth Tenreiro, de 71 anos

Um adolescente, de 13 anos, atacou e feriu com uma faca quatro professores e dois alunos na Escola Estadual Thomazia Montoro, localizada na rua Doutor Adolfo Melo Júnior, na Vila Sônia, zona oeste de São Paulo, na manhã desta segunda-feira (27). O ataque ocorreu por volta das 7h30, quando as aulas já tinham começado.

A professora de ciências esfaqueada pelo aluno, identificada como Elisabeth Tenreiro, de 71 anos, não resistiu aos ferimentos e morreu. Ela era funcionária aposentada do Instituto Adolfo Lutz, e, desde 2013, passou a se dedicar ao ensino de crianças.

Pais de estudantes ouvidos pela reportagem contam que teriam ocorrido brigas entre alunos na última semana. O autor dos ataques teria sido um dos envolvidos e a professora Elisabeth, vítima do atentado, uma das que separaram os conflitos. 

Um vídeo da câmera de segurança da sala onde o ataque ocorreu, mostra o estudante atacando uma outra professora na entrada da sala de aula. Ele fere a mulher várias vezes na cabeça. Ela tenta se defender e cai no chão. Em seguida, duas funcionárias aparecem para conter o aluno. A professora de educação física agarra o garoto pelo pescoço para que ele solte a vítima.

Publicidade

Vítimas

Um estudante de 13 anos que estava na sala de aula da professora que ministrava aulas de ciências quando o ataque começou falou sobre o que viu. "Eu estava falando com ela, a professora estava fazendo chamada quando foi atacada", relembra. 

Professora Elisabeth
Professora Elisabeth

Ele também conta que, logo no início da manhã, o autor do ataque entrou na sala com uma máscara de caveira e desferiu golpes nas costas da professora. Outras três docentes também foram feridas – Ana Célia Rosa (História), Rita de Cássia (Matemática) e Jane Gasperini.

Publicidade

"A professora Ana Célia foi a mais atingida, ela passa bem, não corre risco de vida. Nenhum aluno também corre risco grave, teve um aluno ferido só, mais leve", disse o secretário estadual de Educação, Renato Feder. O agressor, que estuda no 8º ano, foi apreendido após ser imobilizado pela professora Cíntia Silva Barbosa, de educação física. Outra docente conseguiu tirar a faca da mão dele.

Máscara

O aluno usava máscara de caveira durante o ataque, de acordo com informações de testemunhas entrevistadas pela Record TV. O objeto é semelhante à máscara utilizada no massacre em Suzano e no atentado em Aracruz (ES). A bandana preta com a estampa de caveira desenhada, tampando boca e nariz, é símbolo de supremacistas americanos.

Publicidade

"Sabe o atentado de Columbine? Ele estava com uma máscara assim", afirmou um dos alunos que presenciaram o ataque, referindo-se ao ataque em escola dos Estados Unidos em 1999.

Planejamento

O jovem planejava utilizar uma bomba caseira no ataque. Em um diário, ele disse que preparou o explosivo e que o artefato falhou. “A porcaria do molotov falhou, vou ter que improvisar”, escreveu o adolescente. 

Investigações

A polícia acredita que o adolescente tenha premeditado o crime. Ele teria feito postagens nas redes sociais em que informava que "se vingaria". Uma aluna explicou que a briga entre os dois estudantes envolvidos começou na semana passada, e ontem o agressor teria levado uma faca para se vingar.

O secretário da Segurança Pública do Estado de São Paulo, Guilherme Derrite, afirmou na tarde desta segunda-feira (27), que o adolescente de 13 anos que cometeu um atentado na Escola Estadual Thomazia Montoro, que matou uma professora e feriu outras quatro pessoas, falou sobre o crime no Twitter.

Leia também

O perfil do estudante, porém, era restrito, segundo o secretário. A polícia conseguiu descobrir as informações pelo celular do próprio autor do ataque.

Agora, os investigadores vão identificar quem foram as pessoas que interagiram com o adolescente.

"Mas que outros colegas dele ali dessa rede social tinham ciência, até pelo número de curtidas de cada comentário dele ali, a gente vai investigar. [...] Todo mundo que clicou e curtiu algum comentário ou fez algum comentário em cima de uma postagem dele vai ser objeto de apuração por parte da Polícia Civil. Sendo alguém com menos de 18 anos de idade, os responsáveis vão ser chamados", afirmou Derrite em entrevista coletiva.

O chefe da segurança paulista também declarou que a polícia vai apurar se houve ajuda ou participação e se outras pessoas sabiam que ele planejara o ato.

Apreensões

Na casa do adolescente, a Polícia Civil localizou uma arma de air soft, outras máscaras, bilhetes e manuscritos, de acordo com o delegado Marcos Vinicius Reis, do 34° Distrito Policial, responsável pela investigação.

O material foi apreendido e encaminhado ao Instituto de Criminalística, que será responsável pela perícia.

Recesso

O secretário Renato Feder também anunciou que as aulas na Escola Estadual Thomazia Montoro serão suspensas por uma semana. O período será compensado com uma semana do recesso de julho para não atrapalhar o calendário escolar. 

O governador Tarcísio de Freitas ainda decretou luto oficial de três dias em razão da morte da professora Elisabeth.

Relembre os casos de ataques em escolas brasileiras

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.