Bebida alcoólica é responsável por 21% dos acidentes de trânsito atendidos pelo SUS 

Homens entre 20 e 39 anos são as maiores vítimas

Ministério da Saúde constata que 25% das vítimas que sofreram acidentes de trânsito tinham ingerido bebida alcoólica
Ministério da Saúde constata que 25% das vítimas que sofreram acidentes de trânsito tinham ingerido bebida alcoólica Getty Images

O consumo de álcool está associado a 21% dos acidentes de trânsito que geraram vítimas atendidas pela rede pública de saúde em 2011. O estudo, divulgado nesta terça-feira (19) pelo Ministério da Saúde, é inédito e revela que uma em cada cinco vítimas de trânsito atendidas nas emergências de hospitais do SUS (Sistema Único de Saúde) ingeriram bebida alcoólica.

Os dados fazem parte do Viva (Vigilância de Violência e Acidentes), um levantamento feito em 71 hospitais que realizam atendimento de urgência. Foram ouvidas 47 mil pessoas em todas as capitais e no Distrito Federal.

Remédio usado para "enganar" o bafômetro é vendido sem receita médica

Os números mostram que entre as pessoas envolvidas em acidentes de trânsito, 22,3% dos condutores haviam ingerido bebida alcoólica. Entre os pedestres, o percentual é de 21,4%. Dos passageiros acidentados, 17,7% haviam consumido álcool.

Jovens que recorrem a álcool e drogas falham na hora H

De acordo com o Secretário de Vigilância em Saúde, Jarbas Barbosa, esse número pode ser ainda maior.

— O estudo considera os atendimentos feitos nos hospitais, sem contar os acidentes leves com feridos sem gravidade, que não procuram o pronto-socorro, nem as colisões graves, nas quais as vítimas morrem na hora.

Homens são maiores vítimas

O estudo do Ministério da Saúde aponta que quase 40% das vítimas de acidente de trânsito têm entre 20 e 39 anos. E a maioria é de homens — 25% dos que sofreram acidente tinham ingerido álcool.

Bebidas alcoólicas prejudicam ciclos do sono, diz estudo

Para o ministro da Saúde, Alexandre Padilha, os números mostram qual o público-alvo das próximas campanhas do governo.

— Nós estamos percebendo claramente uma concentração maior nessa faixa etária. É importante falar mais com esse público, saber como atingir esse público. Vamos utilizar essa pesquisa para direcionar nossas campanhas.