Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

Brasil teve média de um milhão de casos prováveis de dengue por mês

De acordo com o Ministério da Saúde os meses com mais registros foram março com 1,6 milhão e abril, com 1,5 milhão

Saúde|Giovanna Inoue, do R7, em Brasília


São Paulo tem 1.244 mortes registradas Reprodução/Agência Brasil - Arquivo

Nos 6 primeiros meses do ano, o Brasil registrou mais de 6 milhões de casos prováveis de dengue, o que representa uma média de um milhão de casos por mês em 2024 até o momento. Foram confirmadas 4.207 mortes, sendo que outras 2.765 estão em investigação. Dados são do Ministério da Saúde.

LEIA TAMBÉM

O Brasil já bateu os recordes de números de casos prováveis e de mortes pela doença registradas na série histórica. O número mais alto de mortes era, até então, de 2023, com 1.179 registros. Já o ano com o maior número de casos era 2015, com 1.688.688.

De acordo com boletins da pasta, o Brasil registrou 243 mil casos em janeiro, 729 mil em fevereiro e o ápice foi em março, com 1,6 milhão em março. O valor diminuiu para 1,5 milhão em abril e 1,4 milhão em maio, e teve grande queda em junho, com 516.980. Veja na tabela abaixo:

Já sobre mortes, foram 163 mortes em janeiro, 227 em fevereiro, 601 em março, 1.082 em abril e 1.344 em maio, mas óbitos apresentaram diminuição em junho, com 790. Confira na tabela abaixo:

Publicidade

São Paulo é a unidade da federação com mais óbitos registrados em 2024, com 1.244, seguido por Minas Gerais (738), Paraná (537), Distrito Federal (416) e Goiás (305). Somados, os quatro estados e o DF acumulam 77% do total de óbitos.

O Distrito Federal é a unidade da federação com maior taxa de incidência de casos prováveis, com 9.626,5 casos por 100 mil habitantes. Minas Gerais, Paraná, Santa Catarina e São Paulo aparecem em seguida, somando 78% do número absoluto de casos.

A faixa etária que mais registra casos de dengue é de 20 a 29 anos, com 1,1 milhão de casos, o que representa quase um em cada cinco casos. Na separação por gênero, as mulheres são a maioria a contrair a doença (54,8%).

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.