Saúde Complicações por doenças respiratórias entre crianças estão em alta no Brasil, alerta Fiocruz

Complicações por doenças respiratórias entre crianças estão em alta no Brasil, alerta Fiocruz

Instituição relata aumento das internações infantis por síndrome respiratória aguda grave

  • Saúde | Do R7

Desde fevereiro, complicações por doenças respiratórias em crianças estão em alta

Desde fevereiro, complicações por doenças respiratórias em crianças estão em alta

ISAAC FONTANA/FRAMEPHOTO/ESTADÃO CONTEÚDO

O boletim InfoGripe da Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz) desta semana traz um alerta sobre o aumento do número de internações por SRAG (síndrome respiratória aguda grave) em crianças no Brasil.

Segundo o relatório, divulgado nesta quarta-feira (6), os indicadores de complicações causadas por vírus respiratórios em crianças estão em alta desde meados de fevereiro.

"Em crianças de 0 a 4 anos, os dados laboratoriais apontam para a influência de casos associados ao vírus sincicial respiratório (VSR). Já no grupo de 5 a 11 anos, os números sugerem interrupção de queda nos casos associados ao Sars-CoV-2 (Covid-19) e aumento de casos associados a outros vírus respiratórios no mês de março", dizem os pesquisadores da Fiocruz em relação ao período entre 27 de março e 2 de abril.

O outono e o inverno são tipicamente as épocas do ano em que as crianças mais sofrem com doenças respiratórias.

Além do VSR e do Sars-CoV-2, há uma circulação intensa de rinovírus (causador de resfriado comum) que está fazendo a população adoecer.

O retorno aos ambientes escolares depois de praticamente dois anos sem convívio social também é um fator que está levando as crianças a pegar mais viroses.

Por outro lado, o número de casos de SRAG entre a população adulta está em queda. Também caiu a prevalência do coronavírus como o causador das complicações respiratórias, segundo a Fiocruz.

Durante o período mais crítico da pandemia no país, há um ano, a infecção pelo Sars-CoV-2 respondia por cerca de 96% de todas as internações por SRAG. Nas últimas quatro semanas, o registro é de 50,7%.

"Referente ao ano epidemiológico 2022, já foram notificados 107.478 casos de SRAG, sendo 60.895 (56,7%) com resultado laboratorial positivo para algum vírus respiratório, 31.883 (29,7%) negativos, e ao menos 9.171 (8,5%) aguardando resultado laboratorial. Dentre os casos positivos do ano corrente, 5,5% são Influenza A, 0,1% Influenza B, 3,9% VSR e 86,7% Sars-CoV-2", descreve o boletim.

A vacinação contra a Covid-19 e contra a gripe é uma forma de evitar duas doenças que podem evoluir para quadros graves no público infantil. 

Últimas